VIGIA A BOCA, MAS, ANTES, DISCIPLINA O CORAÇÃO!

Compartilhe:

 

“Há quem use a língua como espada, mas a língua dos sábios produz cura. A língua sincera permanece para sempre, mas a língua mentirosa dura apenas um instante. A mente de quem planeja o mal é amarga; e quem aconselha a paz vive tranqüilo” (Provérbios 12,18-25).

Medir as palavras é a melhor maneira de evitar situações indesejáveis e problemas desnecessários. Sim, porque toda palavra, depois que é proferida ganha o mundo e provoca outras palavras, e outros assuntos, e outras conversas etc. Daí surgem as calunias, as difamações e o disse-me-disse.

Não raras vezes, precisamos sair de alguma enrascada ou nos custou sair de situações que foram fruto do arroubo momentâneo, que poderia ser evitado pelo discernimento e a moderação.

Na busca de culpados, imediatamente, poderíamos culpar a boca e a língua por todos os desarranjos, por causa da palavra mal empregada, mas, a culpa não é da boca não. A culpa é do coração! Sim, porque é do coração, segundo o evangelho que nascem e saem tudo o que a boca propala, criando desarranjos mil: “Pois é do coração que vêm as más intenções: crimes, adultério, imoralidade, roubos, falsos testemunhos, calúnias” (Mt 15,19).

Ora, se o coração é quem referenda os pensamentos e as palavras, precisamos usar algumas peneiras para selecionar melhor aquilo que, por displicência, soltamos mundo a fora.

No livro do Eclesiástico 5,9-15 encontramos a seguinte exortação:“Não peneire o grão em qualquer vento, nem siga por qualquer direção. Seja constante no modo de pensar e coerente na maneira de falar. Esteja pronto para ouvir e lento para dar a resposta. Se você for capaz, responda a seu próximo; se não for, fique calado. Falar pode trazer honra ou desonra, e a língua do homem é a sua ruína. Não tenha fama de caluniador, nem use a língua para preparar armadilhas, porque para o ladrão existe a vergonha, e para o homem falso uma condenação severa. Evite erros grandes e pequenos, e de amigo não se transforme em inimigo.

O coração precisa não de freio, mas de critérios porque, sem critérios o coração é dominado pelo impulsos que escancaram a boca e soltam a língua.

Três são as peneiras da Sabedoria, que disciplinam o coração, como diz a história.

“Um rapaz procurou Sócrates e disse-lhe que precisava contar algo sobre alguém. Sócrates ergueu os olhos do livro que estava lendo e perguntou:

– O que você vai me contar já passou pelas três peneiras?

– Três peneiras? – indagou o rapaz.

– Sim! A primeira peneira é a VERDADE. O que você quer me contar dos outros é um fato? Caso tenha ouvido falar, mas não tem certeza da sua veracidade, a coisa deve morrer aqui mesmo.

– Suponhamos que seja verdade. Deve, então, passar pela segunda peneira: a BONDADE. O que você vai contar é uma coisa boa? Ajuda a construir ou destruir o caminho, a fama do próximo?

– Se o que você quer contar é verdade e é coisa boa, deverá passar ainda pela terceira peneira: a NECESSIDADE. Convém contar? Resolve alguma coisa? Ajuda a comunidade? Pode melhorar o planeta?

Arremata Sócrates:

– Se passou pelas três peneiras, conte! Tanto eu, como você iremos nos beneficiar. Caso contrário, esqueça e enterre tudo!”

Quando temos clareza sobre nosso centro de controle e direção, não nos faltará a determinação necessária para realizar a obra permanente de conversão de hábitos e costumes, em disciplina e vida.

 

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com

LEIA MAIS

“PAU PRA TODA OBRA”

  Algumas pessoas, como diz o ditado, são “pau pra toda obra”: são arrojadas, têm iniciativas, colaboram, são prestativas, têm disposição, são dinâmicas, têm coragem,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com