VEM ESPÍRITO SANTO!

Compartilhe:

Todas as experiências humanas são intensas e profundas e, de alguma forma, nos possibilitam crescer de modo totalizante; quer dizer, completo!

Nem sequer conseguimos imaginar tudo aquilo que compõe o maravilhoso universo do funcionamento humano, que integra mente e alma, corpo e espírito. Somos uma obra perfeita, de difícil manutenção!

Entender os processos do funcionamento humano é fundamental para conseguirmos viver de maneira equilibrada e feliz. Não podemos supervalorizar nenhuma dimensão de nossa vida em detrimento da outra. Somos chamados a viver, considerando a necessidade de integração conosco mesmo, como os outros, com Deus e com o universo.

Falando em linguagem de fé, precisamos viver de modo unitiva.

Assim dizia Jesus, na sua Oração Sacerdotal: “Para que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti. E para que também eles estejam em nós…” (Jo 17,21). “Pai Santo, guarda-os em teu nome, o nome que tu me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um”  (Jo 17,11). “Eu mesmo dei a eles a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um” (Jo 17,22).

Viver de modo unitivo é tal e qual a experiência feita na gravidez. Entre a mãe e o filho há um cordão que os une. Esse cordão é tudo porque permite, transmite e conserva a vida. Em todo o período da gravidez, a criança precisa da mãe e a mãe precisa do filho: um pelo outro; um com outro; um no outro! A ruptura deste vínculo ou a perda desta união, fora do tempo, pode significar morte. Só no parto, a ruptura é vida.

A gravidez não está estancada na mãe e no bebê, vai além e ancora-se no pai e se desdobra na família, nos familiares e nos amigos. Uma gravidez extrapola as condições e relações intra-uterinas e se espalha para um universo de relações muito mais amplo e complexo. Uma gravidez é mais do que uma mãe e um bebê: é um universo de relações unitivas.

A vida do cristão, no mundo, é como gravidez. Estamos sendo gestados, pela fé, no coração de Deus, para formarmos o corpo de Cristo. Não somente eu, mas, todos os cristãos estamos sendo gestados no mesmo útero da vida total: o coração de Deus. Da mesma maneira que o cordão umbilical possibilita a vida, o Espírito Santo é quem permite, transmite e mantém a vida dos que estão no Pai, por Cristo nosso Senhor. Sendo assim, vivemos como que em dores de parto. Não somente de uma gravidez, mas, de muitas gravidezes e de muitos partos.

“Sabemos que a criação toda geme e sofre dores de parto até agora. E não somente ela, mas também nós, que possuímos os primeiros frutos do Espírito, gememos no íntimo, esperando a adoção, a libertação para o nosso corpo. (…) O Espírito vem em auxílio da nossa fraqueza, pois nem sabemos o que convém pedir; mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis. E aquele que sonda os corações sabe quais são os desejos do Espírito, pois o Espírito intercede pelos cristãos de acordo com a vontade de Deus” (Rm 8,22-23.26-27).

A maturidade na fé é feita de muitos partos! Por isso, a vida cristã não está estancada no crente e em Deus, vai além e ancora-se nos irmãos(ãs), na família, na comunidade, na Igreja.

O que nos mantém unidos a Deus, aos outros e a nós mesmos é o Espírito Santo. Portanto, sem o Espírito Santo não há vida de fé verdadeira porque, estará faltando o que nos interliga e nos mantém unidos para além dos laços familiares, religiosos, ideológicos, sociais, políticos, culturais ou econômicos.

Nós somos interdependentes e não podemos viver, senão interligados!

A promessa e realização do Pentecostes, como vida segundo o Espírito Santo é a única maneira de alcançarmos partos felizes e maturidade verdadeira.

Vem Espírito Santo!

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

A AMIZADE DE DEUS

  Nosso Senhor, o Verbo de Deus, que primeiro atraiu os homens para serem servos de Deus, libertou em seguida os que lhe estavam submissos,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts