UMA NOVA VISÃO!

Compartilhe:

 

 

A dificuldade de se encontrar saídas plausíveis para as diversas situações da vida, está no fato que as pessoas apalpam a realidade como cegas, generalizam as suas impressões superficiais sobre o mundo, não admitem correção nas suas verdades adquiridas e, estão plenamente satisfeitos com seu “mundinho”, castelo de ilusões.

Nossos pais, antigamente, usavam de muitas histórias (“causos”) para nos ensinar a regra do bom viver. Jesus também usava de histórias (parábolas), para ensinar o povo e fazê-lo se abrir para o mundo e para Deus. Contadas e recontadas, as histórias sempre funcionavam como exemplos, modelos e referência para os filhos viverem.  Essa didática de ensino foi sendo esquecida e caiu em desuso.

Está na hora de reunir de novo a família, e contar histórias, retomar os “causos”.

“Um dia cinco velhos cegos encontraram um elefante. Não havia ninguém por perto para contar-lhes o que era aquilo.  Então, eles resolveram passar a mão no elefante para descobri o que era.

O primeiro cego passou a mão no corpo do elefante e disse: `Isto é uma parede, dura e áspera’! O segundo cego pegou a perna do animal e falou: `De jeito nenhum! É uma árvore, de tronco grosso e enrugado’. O Terceiro cego, por sua vez, comentou, pegando no rabo do elefante: `Vocês são dois bobos! É uma corda, forte e comprida’. O quarto cego, que estava na frente do elefante, passou a mão pela tromba e disse:  `Nossa! É uma cobra’! O quinto e último cego, passou a mão na orelha do elefante e disse rindo: `Mas é claro que é uma árvore!  As folhas são bem largas’! Ai, todos começaram a discutir, cada um achando que tinha razão.

O elefante acabou indo embora e eles ficaram sem saber o que haviam encontrado…”

Podemos ficar horas e horas conversando, páginas e páginas discursando e não se extinguirá o assunto provocado por esta pequena história.   E nós sabemos, muito bem, como cada um de nós está implicado nela.

Não faltam ditados populares que falam disto que agora nos ocupa: “o verdadeiro cego é aquele que não quer ver”; “em terra de cego, quem tem um olho é rei”; etc…

Mas, no fundo, a verdade é uma só:  os limites da minha visão denotam os limites do meu mundo.  E, aqui, não se trata, simplesmente da capacidade física de ver, mas de discernimento,  de compreensão, de sensibilidade e de mentalidade

O modo como as pessoas “viam”  a si mesmas, aos outros, ao mundo e a Deus preocupava muito a Jesus.   Tanto é que, dentre os seus milagres mais famosos, estão aqueles ligados à devolução da visão aos cegos.   E, neste caso,  o mais importante era a abertura de Novos Horizontes para a pessoa liberta da cegueira.

Jesus sinaliza uma nova postura educacional.  Quem se propõe a educar, necessita de um programa pessoal de vida que liberte as pessoas.  É preciso educar para a libertação.  Ninguém pode ser transformado em prisioneiro dos seus conhecimentos.  “É para liberdade que Cristo nos libertou!” (Gl 5,1)

Jesus se propunha a educar o seu povo através de um programa de vida, respeitando muito as pessoas.

O programa de vida de Jesus é descrito nestes termos:  “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção, para anunciar a Boa Notícia aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos presos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e para proclamar um ano de graça do Senhor.” (Lc 4,18-19)

A questão básica é: com o passar dos tempos sofisticou-se extraordinariamente os meios educacionais e se provou a eficiência da técnica e, por vezes, até a sua supremacia sobre um humanismo. O pragmatismo gerou a robotização estacionária.   A dialética “dos fins justificam os meios” tornou a educação um produto.

Uma nova visão sobre a educação será instaurada quando, deixarmos as apalpadelas e passarmos à imersão na realidade.  Não é possível ver com óculos de sol, em noites escuras como breu!

 

POR: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

FOTO: Google

Posts Relacionados

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com

LEIA MAIS

“PAU PRA TODA OBRA”

  Algumas pessoas, como diz o ditado, são “pau pra toda obra”: são arrojadas, têm iniciativas, colaboram, são prestativas, têm disposição, são dinâmicas, têm coragem,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com