Segundo fruto: Ver com um novo olhar

Compartilhe:

 

O mês da Bíblia nos coloca diante do Evangelho de João e do tema: Discípulos missionários a partir do Evangelho de João e do lema: “Permaneçam no meu amor para dar muitos frutos” (Jo 15,8-9).

Estamos procurando identificar e saborear os frutos produzidos pelo encontro e permanência com o Senhor.

Jesus é luz. “Essa luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram apagá-la” (Jo 1,5). Ele veio ao mundo como luz. “A luz verdadeira, aquela que ilumina todo homem, estava chegando ao mundo” (Jo 1,9). Ele torna clara a visão de fé dos que dele se aproxima, abrindo os olhos do coração. O próprio Jesus diz: “Enquanto estou no mundo, eu sou a luz do mundo” (Jo 9,5).

Nosso texto é João 9,1-41. O cego de nascença.

A questão fundamental, presente no texto, é a cegueira dos homens. Ou seja, a falta da fé verdadeira. O contexto desta narrativa são os conflitos e tensões gerados por causa da opção de fé em Cristo Jesus.

Esse texto faz parte do Livro do Sinais (cf. 2,1-1,57), sobre a Obra de Deus, segundo o evangelista João. O livro dos Sinais mostra as atividades de Jesus como enviado do Pai, para revelar ao mundo ao Boa Notícia da salvação recontada em sete sinais. São catequeses sobre o mistério da fé, para favorecer a opção fundamental; o sim ou o não, o crer ou não crer de quem se aproxima de Jesus.

O capítulo 9 de João, pode ser subdividido em sete cenários, segundo Johan Konings, em seu livro, Evangelho segundo João: amor e fidelidade, p.195-196…

– Cenário 1: Jo 9,1-7. O Sinal como tal (Jesus, os discípulos e o cego);

– Cenário 2: Jo 9,8-12. As diversas reações: os vizinhos;

– Cenário 3: Jo 9,13-17. Primeiro Interrogatório das autoridades;

– Cenário 4: Jo 9,18-23. Segundo Interrogatório das autoridades;

– Cenário 5: Jo 9,24-34. Terceiro Interrogatório das autoridades;

– Cenário 6: Jo 9,35-38. O reencontro de Jesus com o cego e a profissão de fé;

– Cenário 7: Jo 9,39-41. Os cegos que não querem ver: as autoridades.

Pela estrutura do texto, já dá para perceber a intenção do autor do livro sagrado: mostrar o quão insuficiente é a justificativa de fé das autoridades judaicas, baseada numa interpretação muito superficial da Lei.

Frente ao cego, a pergunta inevitável é: “quem pecou?”. Esse era o ensinamento recorrente. Mas, os profetas e, também, Jesus afirmam que este ensinamento não é verdadeiro. A cegueira física do pobre e mendigo não tem nada a ver com pecado. Mas, curando o cego de nascença, Jesus dá eloquência a um daqueles sete sinais que conduzem ao Reino de Deus: livrar-se da cegueira que impede de reconhecê-lo como o enviado do Pai.

Os vizinhos duvidam da identidade do cego. Os fariseus procuram desacreditar Jesus, pressionam os pais do cego… nada conseguem. Tentam forçar o próprio ex-cego a negar, sob juramento, que Jesus é um pecador. Com a negativa do cego, expulsam-no com violência.

A profissão de fé do ex-cego, em Jesus, é o auge da adesão ao Reino e seguimento do mestre. Enquanto o cego enxerga cada vez melhor, aqueles que dizer ver, tornam-se cada vez mais cegos. Assim, o cego passa de discípulo e testemunha, a um anunciador do Verdadeiro Mestre, àqueles que são denominados mestres da Lei. O cego é símbolo daqueles que fazem o processo progressivo de conhecimento de Jesus. Ele é o mestre, o Enviado do Pai, o Profeta, o Messias, o Filho do Homem, o Senhor.

O final do texto bíblico é lapidar e põe em questão a adesão de fé de quem diz ter fé: “‘Eu vim a este mundo para um julgamento, a fim de que os que não vêem vejam, e os que vêem se tornem cegos.’ Alguns fariseus que estavam perto dele ouviram isso e disseram: ‘Será que também somos cegos?’ Jesus respondeu: ‘Se vocês fossem cegos, não teriam nenhum pecado. Mas como vocês dizem: ‘Nós vemos’, o pecado de vocês permanece” (Jo 9,39-31).

Isso serve para nós como questionamento. E, é Jesus mesmo quem pergunta: “em quem você crê?

 

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

 

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com

“PAU PRA TODA OBRA”

  Algumas pessoas, como diz o ditado, são “pau pra toda obra”: são arrojadas, têm iniciativas, colaboram, são prestativas, têm disposição, são dinâmicas, têm coragem,