Quem semeia pouco colhe pouco!

Compartilhe:

O bom agricultor sabe que, o mistério da semente supera toda e qualquer previsão pessimista ou otimista. Mas, sabe também que, se não colocar boa semente no solo e, em quantidade suficiente para a germinação, não terá boa colheita… ou quem sabe colheita nenhuma. Assim é o mistério do Reino de Deus!

Precisamos nos converter do calculismo utilitarista no qual se pratica o “toma-lá-dá-cá”, a vantagem a todo custo, a arrogância do dinheiro, a soberba do poder, a ganância insaciável, o individualismo doentio e a soberba do narcisismo. Isso é próprio da sociedade materialista, consumista, hedonista e erotizada que, não se deixa tocar pela mística do Reino de Deus vivida na bondade, na gratuidade, na generosidade, na solidariedade e, acima de tudo, no desapego.

Conta-nos uma história:

“Era uma vez um pobre que costumava pedir esmola, de porta em porta, pelo caminho da aldeia. Um dia, quando seguia esfarrapado pelo caminho, apareceu ao longe um carro de ouro, como se fosse um sonho.

“Quem será a pessoa que está conduzindo aquele carro real?” – perguntou o mendigo a si próprio. As suas esperanças voaram até ao céu e o mendigo pensou consigo:Agora, sim, os meus males e a minha tristeza vai acabar…E ficou aguardando que, a pessoa do carro de ouro lhe atirasse moedas de ouro.

O carro parou, mesmo, a seu lado. Uma pessoa, ricamente vestida, e a sorrir, desceu do carro. “Agora, sim! Saiu-me a sorte grande; este vai ser com certeza o momento grande da minha vida” – pensou o pobre consigo próprio. De repente, a pessoa, ricamente vestida, estendeu a mão para o pobre e disse:Dá-me alguma coisa!”

O quê! Não me dá nada e ainda por cima me pede esmola a mim que sou pobre!?” – Pensou consigo, desconcertado o pobre. De tal maneira ficou confuso que nem sabia o que fazer. Para não dizer que não dera nada, e para mostrar ao viajante que era mesmo pobre, colocou a mão na sua saca e tirou devagar um grãozinho de trigo e lhe deu.

O desconhecido agradeceu e arrancou no seu carro real.Que descaramento!” – Pensou consigo o mendigo. E lamentando a sua sorte nunca mais pensou no sucedido.

No final do dia, ao chegar em casa, enquanto esvaziava o saco, encontrou um grãozinho de ouro no meio de muitas coisas que não prestavam. Nessa altura chorou com amargura! Que pena não ter tido a coragem de ter dado tudo o que tinha!

Exorta-nos, São Paulo (2 Cor 9,6-11):

“Saibam de uma coisa: quem semeia com mesquinhez, com mesquinhez há de colher; quem semeia com generosidade, com generosidade há de colher. Cada um dê conforme decidir em seu coração, sem pena ou constrangimento, porque Deus ama quem dá com alegria. Deus pode enriquecer vocês com toda espécie de graças, para que tenham sempre o necessário em tudo e ainda fique sobrando alguma coisa para poderem colaborar em qualquer boa obra, conforme diz a Escritura: ‘Ele distribuiu e deu aos pobres; e sua justiça permanece para sempre.’ Deus, que dá semente ao semeador, também dará o pão em alimento; para vocês multiplicará a semente, e ainda fará crescer o fruto da justiça que vocês têm. E vocês ficarão enriquecidos de todos os modos para praticar toda espécie de generosidade, que provocará a ação de graças a Deus por meio de nós.

Ensina-nos o Cristo (Lc 14,26):

“Se alguém vem a mim, e não dá preferência mais a mim que ao seu pai, à sua mãe, à mulher, aos filhos, aos irmãos, às irmãs, e até mesmo à sua própria vida, esse não pode ser meu discípulo”

A radicalidade do Reino consiste em tornar uma pessoa mais autêntica!

 

 

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

 

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts