QUARESMA: OS TEMPOS MUDARAM!

Compartilhe:

 

O que será que sobrou das nossas quartas-feiras de cinzas: Lembrança? Saudade? Tradição? Medo? Dúvida? Apreensão? Ou todo essa história de Quarta-feira de Cinzas já não diz mais nada, porque não passa de mais um dia que vem após o carnaval?

Cinzas para incomodar

Não precisamos remexer o baú das tradições religiosas ou da piedade popular para responder. A questão não é a Quarta-feira de Cinzas. A questão é que estamos mergulhados num crescente secularismo, perda de memória histórica e indiferentismo religioso, as vezes sacudido quando, por alguma razão muito forte, lembramos de Deus e da Igreja.

As cinzas lembram o pó do qual somos constituídos (Gn 18,27), mas o que as cinzas devem ser, de verdade, para todos nós, é tão forte quanto aquele que a fez: o fogo, para incomodar e para converter.

Rasguem o coração de vocês

Receber as cinzas é mais do que um gesto de piedade, do que uma tradição religiosa… é um compromisso de fé, um empenho pela conversão pessoal e a transformação do mundo. Quando as pessoas percebiam que haviam transgredido a Lei de Deus, que haviam sido infiéis: rasgavam suas vestes, se vestiam de saco e se cobriam com cinzas (2Sm 13,19; Est 4,1; Jó 2,8; 30,19; 42,6; Jn 3,6).

O Profeta Joel vai às últimas consequências do antigo gesto do saco e das cinzas propondo um sentido novo e mais completo: “Rasguem o coração de vocês e não as roupas! Voltem para Javé, o Deus de vocês pois ele é piedade e compaixão” (Jl 2,12-17).

Onde está a Quaresma?

Quarta feira de Cinzas marca o início da Quaresma, um tempo forte que já marcou a vida de muitas pessoas, sob diversos aspectos, entretanto, em nossa época atual, perdeu grande parte do seu significado e força. É claro que, havia muitos temores injustificáveis, folclores… O tempo passou… grande parte dos temores acabaram e a quaresma parece seguir o mesmo curso. Surge uma dúvida: será que as pessoas estavam mais propensas aos temores que aos valores e tesouros da quaresma? Será que, por não haver mais tantos temores, vamos jogar fora aquilo que dá à nossa vida real fundamento e valores? Onde está a quaresma? Será que ainda conseguiremos reavê-la?

Raízes de nossa quaresma

A quaresma busca seu real valor e significado na história do povo de Deus que caminhou quarenta anos no deserto (Ex 16,35; Nm 14,33) e na vida de Jesus que foi tentado durante quarenta dias no deserto (Mc 1,12). A simbologia do número 40 nos deu a Quaresma que se tornou uma interpelação de Deus para a nossa conversão, enquanto caminhamos neste mundo. Gestos de Piedade como a Oração, o Jejum, a Penitência e a Caridade associada a Atitudes de fé, vão formando o cristão maduro.

Campanha da Fraternidade

Dentre os vários apelos de conversão, na quaresma, nós vivenciamos a Campanha da Fraternidade que traz, sempre, um grito de urgência bem concreto da vida machucada de muitos irmãos e irmãs. O sentido da Campanha da Fraternidade é a conversão através da mudança concreta de atitude, em todos os níveis que o grito sugerir.

Neste ano o tema da Campanha da Fraternidade é: Fraternidade e Vida: dom e compromisso e, o lema é: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele.”

Comecemos a quaresma pelas cinzas, numa atitude de fé; com jejum e abstinência de carne. Nada por simples tradição, mas por convicção!

 

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Fotos: Google

Posts Relacionados

FELIZ NATAL PARA O ANO NOVO!

Os meios de comunicação sempre prestam um importante serviço, enquanto mantêm as pessoas informadas. São milhares de informações presentes nas numerosas notícias.  Na medida em

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

Pe. Carlos Alberto Nascimento, SDB

  Congregação dos Salesianos de Dom Bosco (Sociedade de São Francisco de Sales) Data de Nascimento:07/08/1987 Data de Ordenação Sacerdotal: 08/12/2018       Endereço: