“Pastorear a cultura de morte em que vivemos”, diz Dom Darci na missa de encerramento do 6º Encontro Nacional

Compartilhe:

A partir das leituras da liturgia deste domingo, o arcebispo apresentou um convite para que os comunicadores ofereçam um testemunho de fé e esperança no mundo de hoje. “O mundo parece buscar a Deus em apenas em suas necessidades, sem compromisso com os valores do Evangelho. Poucos cada vez mais ricos e muitos cada vez mais pobres. É preciso mudar essa situação! ”.

Para o arcebispo, este cenário de desesperança se identifica com o relata o Evangelho de hoje (Mc 6,7-13), para onde Jesus envia seus discípulos para anunciar a Boa-Nova. “Deixemos de lado uma religião água com açúcar, que não nos converte e não muda o mundo”, disse dom Darci. E conclamou a todos para que busquem renovar sempre a esperança em Deus, vendo a vida com os olhos de Jesus, sem confiar em “salvadores da Pátria”.

Neste sentido, destacou a responsabilidade dos cristão a respeito das eleições e da responsabilidade cidadã. Aos comunicadores, dom Darci apresentou um chamado para o pastoreio da cultura de morte. “Jesus, comunicador do Pai, é o nosso paradigma. Devemos crer e comunicar a fé numa linguagem acessível para ajudar as pessoas a estabelecerem uma relação entre fé e vida. Exerçamos nossa criatividade! Voltemos para nossas bases e multipliquemos tudo o que aprendemos nesses dias de encontro”.

Reflexão sobre combate à corrupção marca encerramento do 6. Encontro Nacional da Pascom

O combate à corrupção foi pauta da última conferência do 6. Encontro Nacional da Pascom, que começou no dia 19 de julho e terminou hoje, 22, em Aparecida/SP. A reflexão foi apresentada pelo economista Bruno Brandão, diretor executivo da Transparência Internacional, e que conclamou os agentes de pastoral a colaborarem na campanha que também ocorre em outros 110 países do mundo, em vista da superação da corrupção, que é um problema sistêmico.

Em sua exposição, Brandão mostrou que o último levantamento do índice de percepção da corrupção mostra que o Brasil ocupa o 96º lugar. No entanto, a mesma pesquisa mostra que 87% dos brasileiros, acreditam que o cidadão comum pode fazer uma diferença no combate à corrupção. E concluiu dizendo: “A Pastoral da Comunicação, com sua capilaridade, é fundamental para ajudar os cristãos a se engajarem nessa ação contra a corrupção”.

Orientação

Em seguida, o coordenador nacional da Pascom, Marcos Tulius, apresentou aos participantes o mapa de organização da CNBB, em seus 18 Regionais, explicando que é desta forma também que a pastoral realiza sua articulação pelo país. Em seguida, o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, dom Darci José Nicioli, apresentou os agradecimentos a todos os que colaboraram na organização do evento.

“Vai, vai missionário do Senhor”, foi o canto entoado por todos no encerramento do evento. Após a benção de envio, dom Darci lembrou a todos do próximo compromisso nacional dos comunicadores cristãos: a 11ª edição do Mutirão Brasileiro de Comunicação (Muticom), que será realizado em julho de 2019, em Goiânia/GO.

Do Regional Nordeste IV,  participaram deste encontro Dom Edilson Nobre, bispo da Diocese de Oeiras e referencial para Pastoral da Comunicação do Regional, padre Raimundo Duarte coordenador da PASCOM do regional, Pe. Isaías, da arquidiocese de Teresina e Helder de Campo Maior.

FONTE: http://pascombrasil.com.br/

Por: Irmão Diego Joaquim – Pascom Centro Oeste

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts