O PAI TEM PRAZER DE DAR-LHES O REINO

Compartilhe:

 

“Não tenha medo, pequeno rebanho, porque o Pai de vocês tem prazer em dar-lhes o Reino” (Lc 12,32).

O Pai tem prazer em dar-nos o Reino! Por que?

Afinal, quem somos nós para Deus? O que é o Reino para que o Pai tenha prazer em dá-lo a nós?

É algo tão bom ou melhor do que aquilo que nós esperamos, queremos, procuramos e, buscamos? O que tem a ver conosco? É de comer, de beber ou de vestir? Em que é compatível com a nossa vontade?

Todos nós estamos cercados de necessidades e vontades. Claro! São propensões humanas, legítimas e naturais. São duas forças importantes e verdadeiras. Estão na base de nossas lutas e buscas; de nossas expectativas e esperanças; de nossos desejos e anseios.

São importantes e verdadeiras, mas, em nós, são confusas e tensas, principalmente em relação à intensidade, à prioridade, ao tempo e ao momento.

Geralmente, sacrificamos as necessidades para satisfazer as nossas vontades, sem, nem sequer, medirmos a gravidade e as conseqüências das nossas escolhas e atos.

Vivemos pendurados nas urgências, por causa das ilusões. Temos pressa! Não pode ser para depois: tem que ser agora. Não dá para esperar; não dá para pensar; não dá para refletir. Tem que ser agora!

A imposição da vontade acontece por causa do império dos instintos. Se quem manda são os instintos, então, não há tempo a perder. Tem que ser agora! A vontade é impulsiva, imediatista, passageira e pouco profunda, como os instintos. Por isso as pessoas vivem frustradas, decepcionadas e descontentes? Não há nada que satisfaça as nossas vontades porque elas são insaciáveis, não têm freios e querem sempre mais. A vontade é humana; sua natureza é instintiva. E os instintos são pouco profundos.  Qualquer que seja a nossa vontade, precisa ser medida, refletida, controlada e decidia, antes de ser realizada.

Necessidade e vontade são confusas, tensas, conflitivas e um desafio para nós porque:

– Não nos conhecemos de verdade. Somos estranhos para nós mesmos! Não somos, simplesmente, animais racionais. Somos pessoas capazes de consciência, liberdade e vontade. A vontade sozinha não tem profundidade.

– Estamos em desacordo com o tempo e o momento (Ecle 3,1-8). Conhecemos o tempo, apenas, como relógio e calendário e o tempo é mais; é Kairós (momento oportuno, tempo de Deus, dom, graça…). “Há, porem, uma coisa que vocês, amados, não deveriam esquecer: para o Senhor, um dia é como mil anos e mil anos são como um dia” (2Pd 3,8).

– Falta visão de fé sobre a vida. Não pertencemos a este mundo, mas a Deus. Fomos criados para a vida eterna. O túmulo não é o nosso fim. Presente, passado e futuro são dimensões do tempo que apontam para a eternidade. É muito pouco os sabores deste mundo. Nossa esperança não deve ser só para este mundo (1Cor 15,19). O fato é que não sabemos o que pedir, como e quando. Precisamos do auxílio do Espírito Santo (Rm 8,26).

– Existe um hiato entre o nosso pedido e a resposta de Deus.  A impressão que dá é que ele não ouve, não entende e demora. “O Senhor não demora para cumprir o que prometeu, como alguns pensam, achando que há demora” (2Pd 3,9a.).

– Não compreendemos a vontade de Deus e não a aceitamos, porque queremos uma coisa e Deus dá outra, ou não dá. Pudera! A vontade de Deus não está baseada em nossa vontade, mas, em nossa necessidade. Ele sabe o que, de fato, precisamos. Ele não quer que ninguém se perca. “É que Deus tem paciência com vocês, porque não quer que ninguém se perca, mas que todos cheguem a se converter” (2Pd 3,9b).

O Reino de Deus é o próprio Deus. É a Trindade e tudo o que a ela se refere. É um mundo novo; uma vida nova…

Você tem prazer em receber o Reino que o Pai tem prazer em dar a você?

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

A AMIZADE DE DEUS

  Nosso Senhor, o Verbo de Deus, que primeiro atraiu os homens para serem servos de Deus, libertou em seguida os que lhe estavam submissos,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts