O caminho: escola de testemunhas!

Compartilhe:

Caminho e caminhada não é, tão somente, o registro geográfico de um território ou de um percurso feito por alguém. Não! É muito mais! E se for considerado pela fé, caminho e caminhada é uma vivência que constitui um sentido para a existência: o caminho seria o “traçado da vida”, entendido como direção, objetivos, sonhos e metas e, a caminhada seria a própria realização pessoal, em meio às idas e vindas, quedas e reerguimentos, luzes e sombras… estamos falando de processo de crescimento.

O Cristianismo nascente será identificado, historicamente, como “o caminho”.

Quem lê o evangelho de Lucas 24,13-34 depara-se com a volta dos discípulos de Emaús para casa. Olhando para o versículo 35a., vai se dar conta de como a experiência do caminho, para eles, foi paradigmática. Quer dizer, ao fazer o caminho de Emaús, obrigaram-se a uma revisão de vida e de fé. Experimentaram, com isso, muitas descobertas e revelações: “Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus quando ele partiu o pão” (Lc 24,35).

Mas, o que aconteceu no caminho?

No caminho aconteceu uma caminhada, como nunca acontecera antes; uma caminhada reveladora: do caminho, dos caminhantes. No caminho o coração ardeu. No caminho se repaginou a vida. No caminho aconteceu ressurreição.

O caminho é a escola das testemunhas do ressuscitado!

Quem se dispõe a caminhar torna-se testemunha.

De que valem as testemunhas?

O Texto que fala dos discípulos de Emaús dá um salto, a partir do versículo 35, e nos leva para o meio dos onze discípulos, reunidos, em Jerusalém (Lc 24,36-48).

“O relato de Lucas sugere, antes de mais nada, que o contato visual é insuficiente. A cena impressiona: assustados, os onze e seus companheiros imaginam que veem um fantasma. A palavra do Ressuscitado é acrescentada à sua aparência e os discípulos passam a compreender melhor. No entanto, os que ouvem ficam ainda mais surpresos com a ação dele: Jesus come diante deles um pedaço de peixe assado.

Jesus ressuscitado aparece em meio ao cotidiano dos discípulos. Jesus faz questão de que, diante do medo e da perturbação sentida, eles o toquem. (comentário de Luiz Alexandre Solano Rossi, na revista Vida Pastoral)

‘Por que vocês estão perturbados?’ questiona Jesus! Então, mostrando-lhes as chagas (as mãos e os pés), como sinal e prova da verdade da sua morte e ressurreição, Jesus pacifica seus corações.

Jesus checa tudo daqueles que ele quer como testemunhas e lhes dá um grande ensinamento que servirá como bússola missionária: a ligação estreita com a Palavra para compreender a dinâmica do Reino de Deus e viver a obediência e a fidelidade.

“Jesus disse: ‘São estas as palavras que eu lhes falei, quando ainda estava com vocês: é preciso que se cumpra tudo o que está escrito a meu respeito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos.’ Então Jesus abriu a mente deles para entenderem as Escrituras. E continuou: ‘Assim está escrito: O Messias sofrerá e ressuscitará dos mortos no terceiro dia, e no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. E vocês são testemunhas disso” (Lc 24,44-48).

Testemunhar será sinônimo de: “viver como ele viveu”, sob a vontade do Pai!

“Definitivamente, não há como ser discípulo distanciado das Sagradas Escrituras. Nela nos alimentamos diariamente com o projeto libertador e salvador de Jesus Cristo, manifestado desde a ação solidária de Javé libertando os escravos no Egito” (comentário de Luiz Alexandre Solano Rossi, na revista Vida Pastoral).

Por Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts