O CAMINHO DA PERSEVERANÇA

Compartilhe:

 

Vivemos batendo cabeça com o problema da descontinuidade das coisas: dos sonhos, dos projetos, das ações e das iniciativas.

O que serve de motivação hoje parece não respaldar as práticas de amanhã.

O que será de nós sem uma esperança? Mas, também, o que seria da esperança sem a perseverança?

O Autor da carta aos Hebreus fundamenta o sentido da perseverança como um itinerário de vida que tem como pressuposto os olhos fixos em Jesus.

“Portanto, estamos rodeados dessa grande nuvem de testemunhas. Deixemos de lado tudo o que nos atrapalha e o pecado que se agarra em nós. Corramos com perseverança na corrida, mantendo os olhos fixos em Jesus, autor e consumador da fé. Em troca da alegria que lhe era proposta, ele se submeteu à cruz, desprezando a vergonha, e se assentou à direita do trono de Deus. Para que vocês não se cansem e não percam o ânimo, pensem atentamente em Jesus, que suportou contra si tão grande hostilidade por parte dos pecadores” (Hb 12,1-3)

Não temos razão para ter medo de nada, nessa vida, pois, Deus nos trata como filhos. Isso deve fazer crescer em nós as razões e os motivos que são suficientes para bancar cada passo dado. O autor da carta aos Hebreus assim instrui:

“Vocês ainda não resistiram até o derramamento do sangue na luta contra o pecado, e já se esqueceram da exortação que lhes foi dirigida como a filhos: ‘Meu filho, não despreze a correção do Senhor e não perca o ânimo quando for repreendido por ele; pois o Senhor corrige a quem ele ama e castiga a quem aceita como filho. Em vista da educação é que vocês sofrem. Deus trata-os como filhos. E qual é o filho que não é corrigido pelo pai? Pelo contrário, se vocês não são corrigidos como acontece com todos, então vocês são bastardos e não filhos. Ademais, tivemos nossos pais humanos como educadores, e os respeitamos. Será que não devemos submeter-nos muito mais ao Pai dos espíritos para termos a vida? Nossos pais humanos, por pouco tempo, nos corrigiam, como melhor lhes parecia; Deus, porém, nos corrige para o nosso bem, a fim de que sejamos participantes da sua própria santidade. Na hora, qualquer correção parece não ser motivo de alegria, mas de tristeza; porém, mais tarde, ela produz um fruto de paz e de justiça naqueles que foram corrigidos.

Por isso, levantem as mãos cansadas e fortaleçam os joelhos enfraquecidos. Endireitem os caminhos por onde terão que passar, a fim de que o aleijado não manque, mas seja curado’.” (Hb 12,4-13).

O caminho no qual queremos perseverar precisa de atenção e cuidados que significam retidão. Nesse sentido o autor da carta aos Hebreus apresenta dois cuidados, que ajudam a endireitar o caminho:

Pacificar as relações interpessoais (Hb 12,14-17)

“Procurem estar em paz com todos. Progridam na santidade, porque sem ela ninguém verá o Senhor. Vigiem para que ninguém abandone a graça de Deus. Que nenhuma raiz venenosa cresça no meio de vocês, provocando perturbação e contaminando a comunidade.”

Não rejeitar o Dom de Deus (Hb 12,18.23-25)

“Vocês não se aproximaram de uma realidade palpável. (…). Vocês se aproximaram de Deus, que é juiz de todos. Vocês se aproximaram dos espíritos justos que chegaram à meta final, e de Jesus, o mediador de uma nova aliança. Vocês se aproximaram do sangue da aspersão, que fala muito mais alto que o sangue de Abel. Cuidado! Não deixem de escutar aquele que fala a vocês.”

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

A AMIZADE DE DEUS

  Nosso Senhor, o Verbo de Deus, que primeiro atraiu os homens para serem servos de Deus, libertou em seguida os que lhe estavam submissos,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts