NOVOS CRISTÃOS EM SITUAÇÃO DE HOMENS VELHOS!

Compartilhe:

 

As pessoas deste nosso tempo estão mais propensas ao religioso e ao místico. Nesta mesma direção, estão, o comércio, a indústria musical, a mídia, a produção literária, a linguagem, as relações, a política (quem diria!), empresas e empreendimentos, serviços, associações, fundações, relações…

Isso não equivale a dizer que o mundo ficou mais cristão. Não vejo nisso o surgimento de uma nova consciência mundial, madura e autêntica, de pessoas que se encontraram como discípulos e discípulas de Cristo. Vejo nisso a explosão de uma grande onda eclética, sincrética, esotérica, mística e holística. A estampa é cristã; a aparência é cristã; o formato é cristão, mas, não passa de simulacro. Nem tudo, é verdade, mas a maioria é; flagrante simulação; gato por lebre; novos cristãos em situação de homens velhos.

O cotidiano traz os exemplos. Não são poucos os exemplos de prática de homens velhos nos novos cristãos:

A mercantilização da fé: tudo é passível de compra e venda no grande shopping center da fé; a diabolização da vida: os problemas e os males da vida são explicados, somente, em termos de possessão demoníca e a solução em termos de exorcismos; a disputa de poder: o ideal de fraternidade preconizado por Cristo, foi substituído, inescrupulosamente, pela sede de poder e status nas hierarquias religiosas; a intolerância religiosa: com a mesma facilidade que as crianças brigam por causa de algumas pequenas bobagens, assim estão muitos cristãos, com uma diferença: as crianças não levam as brigas para o coração. Não há respeito pelo outro; a fragmentação denominacional: o surgimento inflacionário de novas denominações corresponde, muito mais à satisfação do individualismo egolátrico do que à construção de um discipulado cristão autêntico; a divisão familiar e social: a substituição dos vínculos naturais de relacionamento, principalmente os familiares, por aqueles que correspondem à cumplicidade criada com o novo grupo da fé. Não há nenhuma dor na consciência pelo desprezo aos pais, irmãos, familiares, amigos, vizinhos que não freqüentam o mesmo reduto; a negação do que é verdadeiramente humano, a Justificação da injustiça e do mal como vontade de Deus; o fatalismo religioso; a infame doutrina da prosperidade; a exacerbação da violência; a banalização da morte; a bipolarização entre as coisas do mundo e do céu e outros tantos exemplos. Será preciso explicação?

A Bíblia faz os alertas. “Portanto, em nome do Senhor, digo e recomendo a vocês: não vivam como os pagãos (…) Vocês devem deixar de viver como viviam antes, como homem velho que se corrompe com paixões enganadoras. É preciso que vocês se renovem pela transformação espiritual da inteligência, e se revistam do homem novo, criado segundo Deus na justiça e na santidade que vem da verdade. Por isso, abandonem a mentira: cada um diga a verdade ao seu próximo, pois somos membros uns dos outros. Vocês estão com raiva? Não pequem; o sol não se ponha sobre o ressentimento de vocês. Não dêem ocasião ao diabo. Quem roubava, não roube mais; ao contrário, ocupe-se trabalhando com as próprias mãos em algo útil, e tenha assim o que repartir com os pobres. Que nenhuma palavra inconveniente saia da boca de vocês; ao contrário, se for necessário, digam boa palavra, que seja capaz de edificar e fazer o bem aos que ouvem. Não entristeçam o Espírito Santo, com que Deus marcou vocês para o dia da libertação.  Afastem de vocês qualquer aspereza, desdém, raiva, gritaria, insulto, e todo tipo de maldade. Sejam bons e compreensivos uns com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou a vocês em Cristo” (Ef 4,17-32).

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

A AMIZADE DE DEUS

  Nosso Senhor, o Verbo de Deus, que primeiro atraiu os homens para serem servos de Deus, libertou em seguida os que lhe estavam submissos,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts