NA TRILHA DA CF 2022 (I) – “A Escola está no Altar”

Compartilhe:

NA TRILHA DA CF 2022 (I)

A Escola está no Altar

           Não por falta de assunto, a Campanha da Fraternidade 2022 traz à tona, pela terceira vez, o tema “Fraternidade e Educação”, desta feita com o sugestivo lema “Fala com sabedoria, ensina com amor” (Cf. Pr 31,26). Trata-se de um tema tão oportuno como vários outros, escolhido, certamente, pela urgência que o reveste, face à necessidade indiscutível de se edificar um mundo mais humano, justo e solidário. Para isso, o melhor caminho é a Educação, e mais ainda, a Educação sob a luz do Evangelho.

Nesse contexto, a afirmação, atribuída a Santa Gemma Galgani, de que “a Escola está no Altar”, a mim me parece pertinente e em perfeita sintonia com a Campanha da Fraternidade deste ano, que visa despertar, no âmbito da Educação, uma nova consciência individual e coletiva. Algo que conduza a um processo de ensino-aprendizagem pensado e trabalhado sob o prisma cristão, de modo que do altar emane, e se espalhe por todo o universo educacional, a essência dos ensinamentos de Jesus, valorizando-se o ser humano e dignificando-lhe a vida com “o belo, o bom e o verdadeiro”, como sugere o Manual da CF 2022.

No altar – complementa Santa Gemma – “o professor é Jesus Cristo e a lição para viver é a Eucaristia, seu Corpo e Sangue”. Vejo nessa assertiva uma verdade inspirada e por demais inspiradora para uma reflexão acerca da temática em foco, e chego à conclusão de que tais palavras revelam alguém que fala com sabedoria e ensina com amor.

Foi essa a impressão que tive, também, a respeito do Padre Possidônio Barbosa, pároco da Paróquia da Vitória, em Oeiras, ao ouvir a sua homilia na Missa matinal da Quarta-Feira de Cinzas, na Igreja Catedral. Vi ali um sacerdote que fala com sabedoria e ensina com amor. Falava ele da ligação entre o tema da Campanha da Fraternidade e as três práticas destacadas por Jesus no Evangelho do dia (Mt 6,1-6.16-18), as quais são propostas pela Igreja para o período quaresmal: a esmola, a oração e o jejum.

Dizia o Padre Possidônio que, ao praticarmos essas três coisas, estamos de alguma forma nos educando e, por conseguinte, nos convertendo pela educação. Segundo ele, “o exercício da Oração é um EDUCAR-SE PARA DEUS, o exercício do Jejum é um EDUCAR-SE PARA SI, e o exercício da Esmola é um EDUCAR-SE PARA OS IRMÃOS”.

A partir daí, torna-se fácil perceber o link entre o Altar e a Escola, entre Jesus Eucarístico e as lições de Vida, entre a Palavra de Deus e o Humanismo Solidário. Mais que isso, é fácil perceber que este é um momento propício para somar Educação e Fraternidade, a fim de se construir uma realidade alicerçada na justiça, na verdade, na esperança e na paz, onde o verbo “partilhar” e o substantivo “comunhão” se tornem sinais visíveis de uma mudança radical, consolidada pela educação fraterna. Lembrando que educar não é missão apenas da Escola ou do Estado, mas também da Igreja, da Família e da sociedade como um todo, e que a educação de qualidade não deve ser privilégio de alguns, mas um direito sagrado de cada cidadão.

A Campanha da Fraternidade é uma boa oportunidade de reflexão, discernimento e tomada de decisão. É hora de toda a nação se unir, inspirando-se no Papa Francisco, que em 2020 lançou o Pacto Educativo Global, com o intuito de somar esforços, no mundo inteiro, em prol da Educação. Oxalá todos os povos se irmanem em torno desse projeto e busquem realmente essa nova Educação, sob a docência do Mestre Jesus Cristo.

Por: Gutemberg Cavalcante Rocha

Posts Relacionados

FELIZ NATAL PARA O ANO NOVO!

Os meios de comunicação sempre prestam um importante serviço, enquanto mantêm as pessoas informadas. São milhares de informações presentes nas numerosas notícias.  Na medida em

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts