Mensagem de Dom Edilson Nobre por ocasião do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo

Compartilhe:

Natal do Senhor

“Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós o Salvador”

Depois de dois mil anos de cristianismo, qual é a situação do mundo? A cada momento centenas de pessoas morrem de fome; ainda morrem milhares de crianças desnutridas; as injustiças acontecem a cada instante e as violências se multiplicam. Por que, Senhor, reduzimos assim o teu mundo?

A origem de todo este mal está no nosso não. Fazemos escolhas erradas. Existe uma escolha que nos mantêm obstinadamente arrogantes. Diz-nos isto com palavras acertadas o evangelista João: “A luz verdadeira, aquela que ilumina todo homem, estava chegando ao mundo. A Palavra estava no mundo, o mundo foi feito por meio dela, mas o mundo não a conheceu. Ela veio para a sua casa, mas os seus não a receberam” (Jo 1,9-11).

Estas palavras são uma fotografia também do nosso presente. Por que este não terrivelmente infeliz? Porque os homens continuam a refutar Deus, mesmo vendo as consequências dramáticas deste refugo. Por quê? O entendemos retornando a Belém. Em Belém Deus nos indicou o lugar e as condições do encontro com ele. Se não nos convertermos ao espírito de Belém, fatalmente nos encontramos da parte de Herodes e dos inimigos de Deus.

E quais são as escolhas que Deus nos propõe em Belém? Em Belém Deus escolhe a humildade, escolhe o último lugar. É a resposta ao orgulho do homem. O orgulho, de fato, não é a solução dos problemas do homem. É ao contrário a fonte dos problemas e da infelicidade. Isto nos ensina a gruta de Belém.

Em Belém Deus escolhe a pobreza: é a resposta à nossa fome insaciável de riqueza. Nem mesmo a riqueza é a solução dos problemas do homem. Muitos não querem compreender e fazem de suas vidas uma busca desenfreada pelo dinheiro. E o dinheiro torna-se fonte de novas inquietudes e de novas escravidões.

A pobreza que Jesus nos propõe não é um refugo do dinheiro, mas uma liberdade diante do dinheiro para que este não se torne um ídolo a ocupar o lugar de Deus. A liberdade da pobreza é uma condição de alegria, de serenidade, de paz profunda. Francisco de Assis, percorrendo docilmente esta via torna-se para nós a imagem deste júbilo.

Em Belém Deus escolhe a humildade. É a sua resposta à nossa violência e à nossa intolerância. A violência não é a solução dos problemas do homem. No entanto quantos se sentem seguros somente quando dominam o próximo. Pobres iludidos! A violência é somente uma máscara, que esconde uma abissal fraqueza. O verdadeiro forte é paciente, o verdadeiro forte é humilde. E a paciência e a humildade são a força que derruba a violência. É Deus quem nos garante!

Neste ano de 2020 a manjedoura do Menino-Deus se instalou em meio à pandemia que tem gerado muitas perdas, dores, sofrimento e incertezas. Só no Brasil chegamos perto de 200 mil vítimas da covid-19. Acrescentam-se a isto os complexos problemas econômicos, sociais, políticos, religiosos e culturais que atravessamos, gerando ainda mais instabilidade e desespero ao nosso povo, principalmente o povo mais pobre.

Seja este Natal, tempo oportuno para renovar a nossa esperança e acreditar que a mesma luz que nos guia em direção ao Menino-Deus, será também a que nos guiará para tempos melhores de fraternidade e de paz, sem pandemia, sem violência, sem fome e sem miséria. Assim, haveremos de fazer brilhar a luz e o amor de Deus que o mundo tanto precisa. Feliz Natal!

 

Dom Edilson Soares Nobre

Bispo Diocesano de Oeiras

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts