Madre Teresa falava com a clareza do coração – Irmã Mary Prema

Compartilhe:

 

Grande expectativa em todo o mundo pela iminente canonização de Madre Teresa de Calcutá, domingo 4 de Setembro, com uma Missa presidida na Praça de São Pedro pelo Papa Francisco. A cerimónia será um dos momentos altos do Ano Jubilar da Misericórdia, proclamada pelo Papa Bergoglio. Espera-se a participação de uma grande multidão de fiéis.

A colega italiana, Antonella Palermo, entrevistou a Irmã Mary Prema, terceira Superiora geral das Missionárias da Caridade, depois de Madre Teresa e a Irmã Nirmala…

– Madre Teresa morreu à guisa de santidade. Agora que faltam poucos dias para a sua canonização, o que mudou no vosso coração?

A canonização da nossa mãe é para nós uma grande honra. Dá-nos a oportunidade de lançar um olhar mais profundo para a sua vida, o seu trabalho e para a grande atenção que ela deu aos outros, mas também de olhar para a nossa vida em si. Este é, realmente, um momento de exame de consciência, um momento  para olharmos profundamente para a forma como vivemos a nossa vocação de Missionários da Caridade e, sobretudo, a nossa união com Deus na oração e na união com Jesus através dos mais pobres

– Madre Teresa foi galardoada com o Prémio Nobel da Paz em 1979. Num mundo permeado por constantes focos de guerra, como se pode reevocar o valor daquele reconhecimento na realidade de hoje?

O Prémio Nobel da Paz foi-lhe atribuído pelos esforços que fez pela unidade entre todos os povos, como filhos de um único Pai celeste. Este é um tema de grande atualidade. A paz é desejada por todos, mas é o resultado do perdão e do empenho na escuta das pessoas, para as poder compreender. Não se pode sempre pretender ter razão.”

– Na sua opinião, a Igreja de hoje é a que Madre Teresa desejava?

A madre não usava o seu tempo para pôr quesitos deste tipo: a Igreja deveria ser isto ou aquilo… Ela não analisava, usava o seu tempo para transmitir o sentido de responsabilidade, levando Jesus a sério. A madre dizia: “A Igreja somos tu e eu. Se queres que a Igreja seja santa, é teu e meu dever ser santas”. Ela viveu isso assim”.

– Madre Teresa tornou-se numa espécie de “santinho”, uma espécie de “amuleto” ?

Nós vivemos com ela e conhecemo-la. Venerar a sua imagem sem ver nela um modelo a imitar, seria injusto. A madre é a vida e permanece em nós. Ela reza por nós. Atuou na vida de muitas pessoas: vi isto de modo particular em Calcutà, onde os seus são visitados por milhares e milhares de peregrinos, pela gente pobre. Rezam, e madre escuta as suas preces. E voltam para as suas casas como a paz no coração, com a confiança e a esperança de que a vida possa ser melhor. A madre não é um “santinho”. É uma madre viva, operosa, em todo o lado. Nós temos necessidade dela, dos seus ensinamentos, da sua intercessão.”

– Ela foi capaz de falar alto e bom som com líderes políticos de todos os níveis…

A madre não ia de um lado para outro a pregar ou a ensinar a outras pessoas o que deveriam fazer ou não fazer. Quando ela falava, fazia-o com a clareza do coração. Não importava com quem falasse, o seu falar baseava-se sempre nos valores da vida: a espiritualidade, a oração, a família onde, por vezes, as relações devem ser sustidas pela aceitação do sofrimento e do perdão. O valor da vida religiosa como continuação da vida de Jesus. Ela trazia sempre consigo os valores dos mais pobres entre os pobres, que são grandes pessoas porque nos ensinam a aceitar o que a vida nos oferece. A madre nunca deu um passo à retaguarda na defesa da dignidade das pessoas.”

– Temos ainda fixa no coração e na mente a imagem das vossas quatro missionárias assassinadas em março passado no Yemen por um grupo de homens armados. “Mártires da indiferença”, disse o Papa na altura. Olhando para as perseguições das minorias religiosas que continuam a ter lugar em várias partes do mundo, a esperança de que um martírio do género possa servir para alguma coisa corre o risco de ser uma desilusão?

“Se olharmos com os olhos do mundo para a morte das nossas irmãs, é um desperdício de jovens vidas. Se olharmos com os olhos da fé é um grande privilégio dar a própria vida por aqueles que estamos a servir. As persecuções foram parte da cristandade desde o início. As perseguições são necessárias para que chegue o melhor da nossa vocação. As nossas irmãs livre e conscientemente permaneceram no serviço aos doentes em Aden, no Yemen. É uma grande dor, mas ao mesmo tempo uma grande honra saber que elas atingiram o escopo da sua vocação, que é a união com Deus, amando Jesus como Ele nos amou, perdoando aqueles que não sabem o que fazem”.

 

Fonte: http://pt.radiovaticana.va/

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts