LITURGIA NO MISTÉRIO CRISTÃO

Compartilhe:

 

Ouvimos falar, constantemente, sobre liturgia. Mas, o que é liturgia!?

A chave de compreensão da liturgia como lugar de encontro homem-Deus-homem é a MEMÓRIA. Não como simples lembrança de algo que já passou e não volta mais. Como algo vivo que continua nos movendo e dirigindo. Estamos falando de memória como ato de Re-cordar, Re-lembrar, Re-tomar, Re-ver, Re-viver, Re-atualizar, Re-fazer, Re-aver…

Memória, em liturgia, não se trata de um mero exercício mental; de uma capacidade intelectual.  Trata-se, outrossim, de uma reabilitação da experiência em termos vivenciais feita através de gestos, símbolos, palavras…  No âmbito da fé, até as coisas que parecem mais insignificantes ganham importância e sentido.

A liturgia é exatamente isso, a reatualização de uma experiência vivida, como se estivesse acontecendo exatamente naquele instante, comigo dentro.

A razão desta simultaneidade são as experiências fundantes da fé.

Passemos em revista as grandes experiências bíblicas que fundaram e refundaram a vida litúrgica das comunidades sendo, por sua própria força, um divisor de águas, marcando um antes e um depois da sua existência.

ÊXODO: Escravidão (força de trabalho)  ð Libertação ð Terra Prometida ð Seder Pascal (Ceia Pascal – memória)

O que chamamos de Êxodo é a libertação do povo de Deus que era escravo no Egito. Ligadas a isso estão a caminhada do povo pelo deserto, a festa da Páscoa, a celebração da Aliança com Deus, os Mandamentos recebidos no nome Sinal, a fuga do Egito e a experiência do deserto. Tudo isso está nos livros do Êxodo, Números, Deuteronômio, Levítico. Mas, a toda hora a Bíblia se refere a esses acontecimentos.

Até mesmo no Novo Testamento, o evangelista Mateus apresenta Jesus como um novo Moisés e a Páscoa dos cristãos, a culminância da libertação que era celebrada pelos judeus lembrando a saída do Egito.

EXÍLIO: Expropriação (Terra/Lei/Templo) ð Repatriação ð Reconstrução do Templo ð Circuncisão (pertença – memória ).

O Exílio foi a experiência dolorosa que o povo passou quando se viu expulso de sua terra, obrigado a sobreviver numa cultura diferente. O Êxodo e o Exílio são lembrados em muitos Salmos (Sl 137).  É o povo que reza cantando a história da interferência de Deus na sua vida. Profetas também falam disso e contam de novo os fatos. O mesmo faz o livro da Sabedoria (a respeito do Êxodo) e o livro das lamentações (a respeito da Exílio).

RESSURREIÇÃO: Anúncio (promessa) e Nascimento ð Missão ð Paixão-Morte-Ressurreição ð Eucaristia (páscoa – memória – 1Cor 11,17-26)

Durante muito tempo não havia nada escrito sobre Jesus, só havia a forte impressão deixada por ele nas pessoas que o conheceram. E essa impressão ganha novo sentido com a morte e ressurreição de Cristo.  Foi essa  experiência que provocou nas pessoas uma resposta diferente para a pergunta: Quem é esse Jesus de Nazaré? Por isso, a morte e ressurreição de Jesus são um tema que volta sempre nas cartas de Paulo e no Apocalipse.

NASCIMENTO DA IGREJA: Pentecostes ð Ensinamento dos Apóstolos/Comunhão Fraterna/Fração do Pão/Oração ð Comunidade (corpo místico – memória (At 2,42-47; 1Cor 12,4-31)

A Igreja que nasce em Pentecostes é que produz todos os livros do Novo Testamento, que só começaram a ser escritos muitos anos depois da morte de Jesus.  O que foi escrito é o que foi recordado e vivenciado com Jesus e a partir de Jesus

LITURGIA, a partir dessas considerações é: a reatualização da vida, compreendida dentro dos mistérios da fé – a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus – ritualizada através de gestos, símbolos, sinais, palavras e ações, para ser celebrada.

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Fotos: Google

Posts Relacionados

OS CRISTÃOS NO MUNDO

Como identificar os cristãos? Pela Bíblia? Pela Igreja? Pelo Palavreado? Pelos trejeitos? Pela roupa? Pelos costumes? Pelos amigos? No século II, um belíssimo texto da

LEIA MAIS

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts