Liturgia Dominical: “Uma semana para iluminar todas as semanas”

Compartilhe:

Domingo de Ramos

Uma semana para iluminar todas as semanas

Vivemos o entusiasmo das multidões entrando em Jerusalém; saudamos Cristo como aquele que vem em nome do Senhor e estamos felizes por segui-lo porque ele é o Filho de Deus, é o nosso Salvador.

Porém não esqueçamos o que Jesus disse a Pilatos; “O meu Reino não é deste mundo” (Jo 18,36). Hoje, claramente vemos o quanto é diverso o Reino de Deus do reino dos homens. O profeta Isaías fala de um personagem de extraordinária humildade e paciência. Ele diz: “Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba; não desviei o rosto de bofetões e cusparadas”. (Is 50,6). Quem é este? Quem é capaz de tanta bondade? Este não é um simples homem! Jesus é o Filho de Deus, no entanto se fez servo; Jesus é Deus com o Pai, no entanto se fez um de nós, se humilhou tornando-se obediente até a morte e morte de cruz. É uma história incrível que nos leva a perguntar: Senhor, por quê? Cristo nos responde com a sua Paixão e nos revela quem somos nós e quem é Deus.

Mas qual é a estrada de Cristo? Observemos o seu comportamento. Jesus expulsa satanás, quando este lhe propõe a estrada do poder; Jesus foge quando os homens, depois do milagre dos pães, o querem proclamar rei; Jesus corrige Pedro, quando ele tenta desviá-lo da estrada de Jerusalém e vai decididamente em direção a Jerusalém, em direção à Cruz, porque esta é a estrada de Deus, a estrada do seu triunfo!

E hoje nós olhamos Jesus que entra em Jerusalém: agora está próxima a sua hora. Ele se apresenta humilde, bom, pacífico, aparentemente frágil. Assim Jesus nos ensinou que a grande força do mundo é a bondade. O verdadeiro forte é o homem bom. O verdadeiro forte é aquele que venceu a violência dentro de si. O vencedor é aquele que dá a vida para os outros e não o que tira a vida dos outros.

Na paixão de Jesus identificamos outros personagens que se evidenciam no caminho do Calvário.

Tem Pilatos: um indeciso, porque vazio. Quem é vazio de ideais, facilmente pode condenar… E condenou o Inocente (Jesus). Tem Pedro: um indeciso, porque fraco. A fraqueza é perigosa. É terreno para a traição. E hoje, mais que em outros tempos a fraqueza parece evidente. Tem Judas: um propenso ao mal, porque o orgulho é o câncer da alma, o orgulho é a raiz de cada violência. O orgulho é um mal um tanto quanto difuso. O orgulho é o início do inferno. Tem Maria: uma mulher propensa ao bem, porque é humilde de coração. No cenário da Paixão de Cristo, Maria revela toda a sua grandeza. Tem os sumos sacerdotes: gente que conhecia a escritura bíblica, mas não conhecia o espírito do seu conteúdo. Com qual destes personagens nos identificamos? A paixão de Jesus continua: que personagem somos nós hoje na paixão do Senhor?

 

Dom Edilson Soares Nobre

Bispo Diocesano de Oeiras

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com