Liturgia Dominical: “Uma bondade ainda incompreendida”

Compartilhe:

Quarto Domingo da Quaresma

Uma bondade ainda incompreendida

O aspecto mais difícil e contrastante de todo o anúncio cristão não é o que chamamos de mistério, mas a afirmação da bondade de Deus. Muitos de nós gostaríamos de ajustar, modificar, instrumentalizar a bondade de Deus. A Bíblia conhece desde as origens esta dificuldade. Conhecemos, por exemplo, a história de Jonas. É um homem mandado para anunciar o castigo a uma cidade corrupta como Nínive. Mas Nínive se converte e Deus imediatamente a perdoa. Jonas reclama e Deus pacientemente procura convencer Jonas a aceitar a bondade de Deus tal como ela é e não como ele (Jonas) quer.

No Evangelho reaparece a mesma situação. Jesus de fato surpreende a todos: faz refeição com os pecadores, defende publicamente uma mulher adúltera, chama para o grupo dos apóstolos um publicano, entra na casa do odiado Zaqueu, bendiz e conforta um ladrão na cruz. É um comportamento muito diferente do comportamento comum, por isso suscita murmuração. Por isso Jesus responde e narra a célebre parábola dos dois filhos. A parábola tem ao centro o pai; em torno do pai se movem os dois filhos.

O primeiro filho exige: “Dá-me a parte que me cabe…”. E o pai não se opõe. O filho foge de casa e o pai, com o coração estraçalhado, permite que se distancie. O filho vai divertir-se de modo banal e o pai permite que dissipe o fruto de tanto suor, cansaço e amor.

O pai que aparentemente parece fraco é na verdade forte e pleno de bondade, que age com grande dignidade. A atitude do pai é um reflexo da bondade de Deus que nunca fecha a porta para os seus.

O filho perde tudo, chega ao fundo do abismo e se dá conta de ter jogado tudo fora de modo estúpido. O que fazer? Ou obstinar-se na sua situação, refutar o retorno, refutar o perdão: este é o inferno. Ou então, se o filho quer, pode fazer o caminho de volta à casa do pai. Então acontece algo que pra nós é difícil entender: acontece a alegria de Deus, que Jesus chama “festa no céu por um pecador arrependido”. A parábola é, portanto, um convite: Se tens pecado, retorna! Se ofendeste até o limite máximo, sabeis que Deus está pronto para recomeçar tudo do começo.

Entra em cena o segundo filho. É o filho escandalizado com a bondade do pai. Parece que este filho tenha razão, no entanto o seu comportamento é ofensivo no confronto com o pai. Este filho embora não tenha fugido de casa, mas o seu coração estava fora de casa porque não pensa e não ama como o seu pai. Este filho é rebelde como o primeiro. Este filho é um problema para o pai, é uma espinha no coração do pai. O Evangelho não diz se o filho escutou a voz do pai. Fica em aberto para que possamos usar a nossa imaginação, colocarmo-nos no lugar do filho e tomarmos a decisão: entrar e fazer parte da festa ou permanecer fora, indiferente ao convite do pai.

 

Dom Edilson Soares Nobre

Bispo Diocesano de Oeiras

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com