Liturgia Dominical:” Somente Deus pode ensinar-nos a amar”

Compartilhe:

Vigésimo Terceiro Domingo do Tempo Comum
Somente Deus pode ensinar-nos a amar

O Evangelho de hoje começa dizendo que grandes multidões acompanhavam Jesus. Tanto no passado como hoje muitos seguem Jesus. Porém é possível seguir Cristo com o coração de Pedro ou com o coração de Judas; com o coração de Tomé ou com aquele de João. É importante esclarecer o que significa seguir Cristo. Voltando-se para aquele povo Jesus disse: “Se alguém vem a mim, mas não se desapega de seu pai e de sua mãe, sua mulher e seus filhos, seus irmãos e suas irmãs e até da sua própria vida, não pode ser meu discípulo” (Lc 14, 26). Estas palavras são duras e inquietantes. Como é possível colocar Cristo antes do pai e da mãe, antes dos filhos, antes de si mesmo, antes de tudo? Não estaria Cristo pedindo demais? Na verdade, por trás destas interrogações se esconde um sutil medo: o medo que Deus torne-se concorrente dos nossos afetos.
No entanto este medo não há razão pra existir. De fato Cristo nos pede para amarmos Deus antes do pai e da mãe, porque só amando Deus é possível amar veramente o pai e a mãe, o esposo ou a esposa, os filhos, a vida.
Na verdade o amor possessivo não é verdadeiro amor. O amor sem sacrifício não é verdadeiro amor. Por isso Jesus com decisão propõe a verdade que nos faz livres. E a verdade é esta: só Deus pode ensinar-nos a amar. Só colocando Deus em primeiro lugar se é capaz de ser humano, verdadeiramente humano.
O que significa colocar Cristo em primeiro lugar? Significa entregar-se à sua lógica, ao seu estilo. Significa reconhecer-se nele.
Deus em primeiro lugar. Isto nos faz medo? Mas Deus é Amor Infinito. Amando Deus se recupera o amor ao próximo. Porém é um amor liberado, desintoxicado do egoísmo e, portanto das insídias da morte.
Madre Teresa confirma este raciocínio quando diz: “Deus me ensinou a amar. Aprendi dele, somente dele”.
A segunda leitura de hoje é um testemunho sobre a verdade deste Evangelho. Trata-se de uma brevíssima carta escrita por São Paulo, endereçada a Filemon. Este defende o escravo Onésimo com palavras tocantes: “Eu, Paulo, velho como estou e agora também prisioneiro de Cristo Jesus, faço-te um pedido em favor do meu filho que fiz nascer para Cristo na prisão, Onésimo. Eu o estou mandando de volta para ti. Ele é como se fosse o meu próprio coração… recebe-o, já não como escravo, mas, muito mais do que isso, como um irmão querido…” (Fil 9ss).

Dom Edilson Soares Nobre
Bispo Diocesano de Oeiras

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

ACEITAÇÃO AMOROSA DO SOFRIMENTO

Santa Teresinha do Menino Jesus (nascida em 1873), tem um testemunho eucarístico belíssimo. Sua vida, à semelhando do Cristo, está marcada pelo sacrifício da vida-à-serviço