Liturgia Dominical: “Pobre do rico que não sabe doar”

Compartilhe:

XXVIII Domingo do Tempo Comum

Pobre do rico que não sabe doar

O Evangelho de hoje trata de um jovem rico, angustiado, que busca o caminho da verdadeira felicidade. A tristeza do jovem rico a conhecemos um pouco: é a tristeza do egoísta, da pessoa que construiu a vida sobre falsas “seguranças”. Jesus veio para libertar-nos desta tristeza propondo a pobreza e a simplicidade como bem-aventuranças. Na Escritura Sagrada, Cristo chama “sábio” aquele que acumula tesouros para o céu e que transforma todos os seus bens em dons de amor e de serviço ao próximo.

O Evangelho nos propõe este ensinamento através de um episódio no qual  riqueza e pobreza se confrontam e se chocam dramaticamente. Jesus encontra um jovem “rico”, como tantos jovens de hoje. O jovem está inquieto e pede uma luz a Jesus. Qual é a proposta de Jesus? “Vai, vende tudo, dá aos pobres e encontrarás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me”.

“Vende tudo”, significa dizer: torna-te livre! Supera a sugestão das coisas da terra, porque nunca te farão feliz. “Dá aos pobres”: faz da tua vida uma contínua caridade. Quem não provou a verdadeira caridade, nunca viveu um autêntico momento de alegria. Fomos criados para condividir: aqui está o segredo da felicidade. “E encontrarás um tesouro no Céu”. Nunca devemos esquecer que há outra vida e que, tudo que fizermos aqui na terra, servirá para construirmos a nossa morada na eternidade.

“Depois, vem e segue-me”. O seguimento a Jesus é a nossa verdadeira riqueza. É a convicção de que Deus é a verdadeira riqueza que preenche o coração e dá paz à vida.

Conclui amargamente o Evangelho: “O jovem ficou acabrunhado e retirou-se, triste, pois tinha muitos bens” (Mc 10,22). É a história de um “não” semelhante a tantos outros “nãos” ditos a Deus e, portanto, à felicidade.

Como podemos viver estas palavras de Jesus? Como podemos viver a proposta da pobreza? Devemos reconhecer que o mundo é ainda dividido entre ricos e pobres; ao mesmo tempo devemos admitir que faltam os meios suficientes até que todos possam viver dignamente. Aqui, compete-nos realizar o milagre da fraternidade e aprendermos a buscar uma vida sóbria, mais preocupada em fazer o bem. A sabedoria de Salomão, conforme a primeira leitura, é pertinente e sugestiva para concluirmos a nossa reflexão: “Orei, e foi-me dada a prudência; supliquei, e veio a mim o espírito da sabedoria.
Preferi a Sabedoria aos cetros e tronos e em comparação com ela, julguei sem valor a riqueza; a ela não igualei nenhuma pedra preciosa, pois, a seu lado, todo o ouro do mundo é um punhado de areia e diante dela, a prata, será como a lama” (Sb 7,7-9).

 

Dom Edilson Soares Nobre

Bispo Diocesano de Oeiras

 

 

 

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com

“PAU PRA TODA OBRA”

  Algumas pessoas, como diz o ditado, são “pau pra toda obra”: são arrojadas, têm iniciativas, colaboram, são prestativas, têm disposição, são dinâmicas, têm coragem,