Liturgia Dominical “Humildade e pobreza: valores que fazem a diferença”

Compartilhe:

Décimo Terceiro Domingo Tempo Comum
Humildade e pobreza: valores que fazem a diferença
O Evangelho deste domingo aprofunda a resposta que um dia Jesus deu a Pedro: Crer em Cristo significa segui-lo e seguir Cristo significa preferir as suas escolhas. Quais?
A primeira escolha é a humildade, que não é fraqueza, mas o modo mais verdadeiro e mais justo de ser forte. Olhemos para Jesus. Ele vai da Galileia para a Judéia. É a viagem síntese de toda a sua vida. Nesta viagem ele deve atravessar a Samaria, mas os samaritanos a séculos vivem em atritos com os judeus e, portanto, normalmente não acolhem um judeu. Fecham-lhe as portas, refugam qualquer tipo de diálogo. Um comportamento veramente mesquinho! E quantas vezes a mesquinhez humana perde as grandes ocasiões de Deus. Como reagem os apóstolos? “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los? Seria o mais fácil, o mais cômodo, segundo o nosso modo de reagir, mas seria contra Deus que é amor e respeito infinito. A resposta de Jesus é eficiente: simplesmente os repreende. Não sabemos que palavras foram dirigidas, mas certamente ele deve ter recordado o que disse no monte das bem aventuranças: “Felizes são os humildes… Felizes são os pacíficos… Felizes são os perseguidos”. É necessária uma grande fé para entender esta lógica: é um modo de ver as coisas completamente diferente do nosso.
A segunda grande escolha de Cristo é a pobreza. Alguém lhe disse: “Eu te seguirei para onde quer que fores”. Jesus responde: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Lc 9,58). Estas palavras só podem ser compreendidas à luz da fé. Só quem crer pode entender o sentido destas palavras.
Narra ainda o Evangelho que Jesus disse a alguém: “Segue-me”. O outro responde: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. Jesus disse: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos; mas tu, vai anunciar o Reino de Deus” (Lc 9,60). Evidentemente Jesus não proíbe a expressão da devoção de sepultar os mortos, mas em forma paradoxal, recorda que a família não deve absolver-nos ao ponto de tornar-se obstáculo para amar Deus. É Deus a razão da nossa vida e a família será sempre um meio para responder a Deus. Jesus não renega o valor da família, mas convida a viver a família com uma orientação nova. Vale a pena recordar que jamais teríamos conhecido um homem chamado São Francisco de Assis se este não tivesse tido a coragem de romper com os conceitos banais de um modo de ser família, para reapropriar-se da liberdade de amar Deus sobre todas as coisas.
Enfim, Jesus reclama uma decisão corajosa: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o reino de Deus” (Lc 9,62). Determinação é, portanto, a palavra chave, para quem de fato quer seguir Jesus. Não podemos ficar na indecisão.

Dom Edilson Soares Nobre
Bispo Diocesano de Oeiras

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts