Liturgia Dominical: “É necessário perdoar sempre!”

Compartilhe:

XXIV  Domingo do Tempo Comum

 

Pedro, talvez surpreso por causa da bondade ‘excessiva’ de Jesus, um dia ousou dirigir-lhe uma pergunta que tinha o sabor de um convite a estabelecer um limite em relação ao dever de perdoar. “Senhor quantas vezes devo perdoar se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes? (Mt 18,21). Pedro pensava ter sido generoso na sua proposta, mas a resposta de Jesus é categórica: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete”, ou seja, perdoar sempre (Mt 18,22).

Diante da clareza de Jesus temos pouco a discutir. As suas palavras não deixam espaço para a dúvida ou para uma exegese minimalista: é necessário perdoar sempre! Surge, porém uma pergunta legítima: Por que é necessário perdoar sempre? É mesmo possível vencer o mal com o bem? A resposta a estas perguntas é compreensível somente à luz da fé. As palavras de Jesus, de fato, têm sentido e tornam-se luminosas somente quando a fé reconhece nele a manifestação de Deus e a vitória de Deus sobre o pecado dos homens.

Como pessoas de fé devemos, portanto, aproximarmo-nos de Jesus e fixarmos o nosso olhar sobre o rosto e o coração de Deus, que Jesus e só Jesus pode revelar-nos.

O Anjo, quando Jesus estava ainda no seio virginal de Maria, disse a José: “Não tenha medo de receber Maria como esposa, porque ela concebeu pelo Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e você lhe dará o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados” (Mt 1,22). Jesus é Deus que salva! Seguindo os seus passos nós descobrimos em cada gesto seu e em cada palavra um desejo sem medida de perdão, uma decidida vontade de recuperação do homem pecador. Uma abertura sem limite do seu coração.

Toda a vida de Jesus manifesta a miséria do homem e a misericórdia de Deus. A humanidade é marcada pela presença devastante do pecado que entrou na história através da porta da liberdade humana usada contra Deus. Quem toma consciência desta dramática verdade será capaz de refazer o seu caminho e reconciliar-se com Deus.

Mas o desencorajamento devido à miséria humana foi vencido por causa da misericórdia divina. Deus, de fato, nos perdoou através de Jesus! O sangue de Cristo derramado por amor grita continuamente e fortemente: “Pai, perdoa-lhes!”.

Uma vez entendido que toda a nossa vida está imersa no perdão generosíssimo de Deus, não é possível não sentir o desejo de restituir o perdão aos irmãos que nos cometeram alguma culpa. Antes, perdoar torna-se uma exigência que nasce do encanto e da emoção do perdão recebido. De fato, nós imploramos a misericórdia de Deus não porque nos deixa em paz com os nossos vícios, mas porque nos torna livres.

 

Dom Edilson Soares Nobre

Bispo Diocesano de Oeiras

 

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts