Liturgia Dominical: “Contra o pecado, mas a favor dos pecadores”

Compartilhe:

Quinto Domingo da Quaresma

Contra o pecado, mas a favor dos pecadores

Eis a cena do evangelho de hoje: uma mulher é encontrada com um homem que não era o próprio marido. Certamente o pecado é grave. É a banalidade do amor que se reduz só ao extinto. É um pecado que trai o verdadeiro sentido do amor dado por Deus. Porém nasce o problema: o que fazer diante desta situação? Fingir que o problema não existe? Certamente não. É preciso intervir. Mas como? Os fariseus, conforme narra o evangelho intervêm. E como! Jogam a mulher diante de Jesus e esperam a sentença de morte. Querem agir imediatamente, mas, para experimentar Jesus, buscam nele a decisão da sentença. Cristo permanece mudo e inclinando-se, começa a escrever com o dedo no chão. Gesto estupendo de tristeza e de superioridade ao mesmo tempo. Evidentemente Cristo não é de acordo com a atitude da prostituta. Não vamos imaginar que Cristo seja favorável à prostituição. Mas também ele não concorda com o procedimento dos fariseus. Cristo desaprova a intervenção hipócrita de quem tem somente o gosto de condenar.

Quantas vezes diante do pecado nós somos tentados a ter o mesmo comportamento dos fariseus. “Errou, portanto, condena!” Mas por que errou? Talvez ninguém o tenha ajudado. “Mas isto não conta”. Cristo responde: O bem não se impõe com ferro e fogo. O mundo não pode mudar à base dos fuzis.

Outro ensinamento de Jesus: “Quereis condenar? Quem não tiver pecado, atire a primeira pedra”. Todos, um a um, lentamente, começando pelos anciãos deixaram as pedras e foram embora. Na verdade todos eles eram pecadores, no entanto queriam condenar. Evidentemente Jesus quer dizer: Não vos julgueis bons só porque os outros não sabem dos vossos pecados. Deus vos conhece. Todos vós sois pecadores e, portanto não deveis ter a presunção de condenar-vos uns aos outros.

O que então devemos fazer diante do mal e do pecado? Se for necessário intervir, qual é o caminho? Vejamos o que diz Jesus àquela mulher: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?… Eu também não te condeno. Podes ir, e de agora em diante não peques mais” (Jo 8,10-11). Cristo não aprova o comportamento da adúltera e é claro na orientação: “Não peques mais”. Aqui é clara a intenção de Cristo: a recuperação do pecador, a salvação, a reconquista do bem. O pecado é condenado, mas o pecador é sempre amado, sempre procurado, sempre esperado. Cristo não faz a apologia do pecado, mas a apologia do perdão.

Dom Edilson Soares Nobre

Bispo Diocesano de Oeiras

 

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com