“Feito é melhor que perfeito”

Compartilhe:

(Autor Desconhecido)

A perfeição que tanto desejamos não existe; é uma ilusão e uma perda de tempo. Por que? Porque só Deus é perfeito e, tudo o que Deus faz é perfeito. Logo, como obra de Deus, nós somos perfeitos. Isso deve estar claro. Mas, quando agimos, não há perfeição no que fazemos. Há, simplesmente, o que fazemos! Perfeito ou não o que fazemos é o nosso melhor produto. Isso basta! Deixemos a perfeição para Deus! Assumamo-nos como somos e, tudo aquilo que somos e/ou fazemos será uma obra bendita e, muitas vezes, inesperada e surpreendente. Feito é melhor que perfeito!

Veja a história que compartilho com você!

Os dois potes

Um carregador de água na Índia levava dois potes grandes, ambos pendurados em cada ponta de uma vara que carregava atravessada em seu pescoço.

Um dos potes tinha uma rachadura, enquanto o outro era perfeito e sempre chegava cheio de água no fim da longa jornada entre o poço e a casa do chefe; o pote rachado chegava apenas pela metade.

Foi assim por dois anos, diariamente, o carregador entregando um pote e meio de água na casa de seu chefe. Claro, o pote perfeito estava orgulhoso de suas realizações. Porém, o pote rachado estava envergonhado de sua imperfeição, e sentindo-se miserável por ser capaz de realizar apenas a metade do que ele havia sido designado a fazer.

Após perceber que por dois anos havia sido uma falha amarga, o pote falou para o homem um dia à beira do poço:

– “Estou envergonhado, e quero pedir-lhe desculpas.”

– “Por quê?” Perguntou o homem. “De que você está envergonhado?”

– “Nesses dois anos” – falou o pote, sem respirar – “eu fui capaz de entregar apenas a metade da minha carga, porque essa rachadura no meu lado faz com que a água vaze por todo o caminho da casa de seu senhor. Por causa do meu defeito, você tem que fazer todo esse trabalho, e não ganha o salário completo dos seus esforços.”

O homem ficou triste pela situação do velho pote, e com compaixão falou:

– “Quando retornarmos para a casa de meu senhor, quero que percebas as flores ao longo do caminho.”

De fato, à medida que eles subiam a montanha, o velho pote rachado notou flores selvagens ao lado do caminho e, isto lhe deu certo ânimo. Mesmo assim, o pote não ficou convencido e, ainda, se sentia mal porque tinha vazado a metade da água, e, de novo, pediu desculpas ao homem por sua falha.

Disse o homem ao pote:

– “Você notou que pelo caminho só havia flores no seu lado. Eu ao conhecer o seu defeito, tirei vantagem dele. E lancei sementes de flores no seu lado do caminho, e cada dia enquanto voltávamos do poço, você as regava. Por dois anos eu pude colher flores para ornamentar a mesa de meu senhor. Sem você ser do jeito que é, ele não poderia ter esta beleza para dar graça à sua casa.”

Ser quem somos, admitindo, até mesmo, os próprios defeitos é uma oportunidade de grandes revelações. Porque, cada um de nós temos nossos próprios e únicos defeitos. Todos nós somos potes rachados. Nunca deveríamos ter medo dos nossos defeitos. Se os reconhecermos, eles poderão causar beleza. Das nossas fraquezas, podemos tirar forças.

É bem assim!

 

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

 

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts