ÉS TU AQUELE QUE HÁ DE VIR, OU DEVEMOS ESPERAR OUTRO?

Compartilhe:

Quanto mais o tempo passa, mais vamos nos distanciando da originalidade do Evangelho e das promessas da fé. O evangelho não é, apenas, o que nos foi dado, na forma escrita, mas o Cristo-pessoa; sua vida, seus atos, sua pregação, sua história. Da mesma forma, as promessas de fé não são, simplesmente, as vantagens anunciadas e pretendidas por quem se aproxima de uma denominação religiosa (prosperidade, milagre, cura, revelação), mas, a Salvação.

O tempo, a cultura, as ideologias, as teorias, as doutrinas, os interesses políticos e econômicos, a proliferação de denominações e seitas, a mercantilização da fé… são fatores determinantes deste distanciamento. Aliás, a grande contradição que enfrentamos nos tempos atuais é que: mesmo com tantas bíblias circulando; mesmo com tantas denominações religiosas surgindo; mesmo com tantos pregadores… nunca se esteve tão longe de Deus; nunca a fé esteve tão ameaçada; nunca os cristãos estiveram tão perdidos; nunca o evangelho esteve tão deturpado; nunca a esperança esteve tão negada; nunca a salvação esteve tão desprezada.

A fé corre perigo! É preciso voltar às fontes da fé! A fé se sustenta da adesão, profunda, a Cristo; no seguimento a ele, em tudo e, ao mesmo tempo, se tornando semelhante a ele, até ao extremo da cruz. Ser um outro Cristo no mundo, no amor-ágape (ou amor-doação-entrega). Dar-se a Deus pelos irmãos, sem esperar nada em troca.

Por outro lado, a fé se afirma na esperança da Salvação que começa antes do túmulo, antes da morte. A salvação, como promessa é permanente ação de Deus, que vai nos libertando da morte e do poder da morte; do pecado e do poder do pecado; enquanto  caminhamos neste mundo. Mas, é, também, sentença de vida quando, no julgamento, como juiz, o Senhor Jesus dirá: “Venham vocês, que são abençoados por meu Pai. Recebam como herança o Reino que meu Pai lhes preparou desde a criação do mundo. Pois eu estava com fome, e vocês me deram de comer…” (Mt 25,34-36).

Quem salva é Deus! É ele que tem nas mãos o poder de salvar. É nele que somos salvos. É por ele que chegamos à plenitude da vida. É com ele que viveremos a eternidade.

O início da pregação de Jesus tem tudo a ver com a incansável busca do cristão porque, atualiza, em qualquer tempo, o Projeto de Deus: “Jesus voltou para a Galiléia, pregando a Boa Notícia de Deus: ‘O tempo já se cumpriu, e o Reino de Deus está próximo. Convertam-se e acreditem na Boa Notícia’” (Mc 1,14.15).

Voltar ao Evangelho e às suas Promessas, significa, pelas palavras do próprio Cristo é: a) Abraçar as esperanças do Reino de Deus: no tempo de Deus e na vontade de Deus e b) Converter-se à Boa nova e em Boa nova; Acreditar na Boa nova e viver da Boa nova.

O Projeto de Deus é para quem tem coragem de se guardar para as esperanças de Deus.

Quando João Batista envia mensageiros a Jesus, ao invés de sustentar a dúvida dos judeus, ele anuncia a esperança-certeza do Reino: “João estava na prisão. Quando ouviu falar das obras do Messias, enviou a ele alguns discípulos, para lhe perguntarem: ‘És tu aquele que há de vir, ou devemos esperar outro?’ Jesus respondeu: ‘Voltem e contem a João o que vocês estão ouvindo e vendo: os cegos recuperam a vista, os paralíticos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e aos pobres é anunciada a Boa Notícia” (Mt 11,2-7).

Você quer que a fé seja resposta? Aceite-a, antes de tudo, como proposta!

Não entregue a fé aos olhos. A fé é maior do que os olhos podem ver: “Jesus disse: ‘Você acreditou porque viu? Felizes os que acreditaram sem ter visto’” (Jo 20,29). Não entregue a fé às mãos. A fé é maior do que as mãos podem fazer. “Estenda a sua mão e toque o meu lado. Não seja incrédulo, mas tenha fé” (Jo 20,27). Não entregue a fé aos lábios. A fé é maior do que os lábios podem dizer. “Esse povo se aproxima de mim só com palavras, e somente com os lábios me glorifica, enquanto o seu coração está longe de mim.” (Is 29,13). Não entrega a fé, nem mesmo, ao coração. A fé é maior do que o coração pode sentir. “Darei para vocês um coração novo, e colocarei um espírito novo dentro de vocês…” (Ez 36,26-27).

Entregue a fé ao amor. A fé não vive sem amor. Aliás, tudo passa. Até a fé passa. O amor jamais passará. “O amor é paciente, o amor é prestativo; não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho(…) Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais passará” (1Cor 13,4-8).

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Posts Relacionados

FELIZ NATAL PARA O ANO NOVO!

Os meios de comunicação sempre prestam um importante serviço, enquanto mantêm as pessoas informadas. São milhares de informações presentes nas numerosas notícias.  Na medida em

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Nota de Esclarecimento A Diocese de Oeiras vem, por meio desta, esclarecer a todos os fiéis, que desde o momento que recebeu a denúncia do