EIS QUE ENVIO MEU MENSAGEIRO NA TUA FRENTE!

Compartilhe:

 

Na era do celular e do computador mensagem é sinônimo de facilidade e agilidade, numa comunicação rápida e barata. Seja ela falada ou escrita. De fato, a comunicação ganhou muito com a possibilidade de as pessoas encurtarem as distâncias com meios tão eficazes.

O mundo não tem mais, nem distância e nem fronteira!      As pessoas estão interligadas por uma rede infinitamente grande de contatos. Mas, e a mensagem? E o mensageiro?

Todos os dias, por celular ou computador, entramos em contato com uma infinidade de mensagens; uma avalanche de textos, palavras, imagens, filmes… nem sempre verdadeiras, respeitosas e responsáveis. Mensagens que recebemos ou enviamos.

Mensagens que vêm; mensagens que vão: enviadas, reenviadas, copiadas, plagiadas, anônimas, spam, vírus… Mensagens que não são mensagens! Mensagens sem mensageiros! Mensagens bloqueadas e deletadas.

Mensagem tem que ser mensagem! Mensagem tem que ter mensageiro!

No “tempo” do correio elegante, nas festas ou da carta, na caixa de correio, a chegada da mensagem, precedida pelo mensageiro, sempre foi marcada de grande expectativa: “O mensageiro!”

O mensageiro desperta esperanças. O mensageiro é prenúncio de novidade. O mensageiro é força de presença. O mensageiro é, também, uma mensagem! O mensageiro é tão importante quanto a mensagem que ele leva!

A modernidade está diante de uma grande tragédia: a falta de mensageiro!

Temos meios fantásticos de comunicação rápida e barata, fácil e ágil; contato imediato! Mas, não bastam os meios e as mensagens. Precisamos de mensageiros, de carne e osso que despertem esperanças; que sejam prenúncio de novidade; que tenham força de presença e que, também, sejam uma mensagem! Senão a mensagem será mera simulação!

Diz a Palavra de Deus:

“Está escrito no livro do profeta Isaías: ‘Eis que eu envio o meu mensageiro na tua frente, para preparar o teu caminho. Esta é a voz daquele que grita no deserto: Preparem o caminho do Senhor, endireitem suas estradas!’

Foi assim que João Batista apareceu no deserto, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados.

(…). Eu batizei vocês com água, mas ele batizará vocês com o Espírito Santo’.” (Mc 1,1-8).

O tempo do Advento, no qual nós estamos, aponta para Jesus, esperança do mundo e certeza da salvação. Mas, ao mesmo tempo, aponta para João Batista, o mensageiro que o precede.

João Batista é um mensageiro que desperta esperanças; que é prenúncio de novidade; que tem força de presença e que, também, é mensagem! Ele não tem nada, senão o que veste, o que come, e o que grita: ‘preparem o caminho do Senhor, endireitem suas estradas!’ Ele não foi para outro lugar, senão ao deserto, ‘pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados”. Ele não faz outra coisa, senão a missão que lhe compete porque, ‘Toda a região da Judéia e todos os moradores de Jerusalém iam ao encontro de João. Confessavam os seus pecados, e João os batizava no rio Jordão’. Ele declara e não nega: ‘Depois de mim, vai chegar alguém mais forte do que eu. E eu não sou digno sequer de me abaixar para desamarrar as suas sandálias. Eu batizei vocês com água, mas ele batizará vocês com o Espírito Santo’

Como João, Deus nos chama para ir à frente de Jesus, como mensageiros. E como somos necessários!

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

A AMIZADE DE DEUS

  Nosso Senhor, o Verbo de Deus, que primeiro atraiu os homens para serem servos de Deus, libertou em seguida os que lhe estavam submissos,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts