Dia 20 de novembro: viva Zumbi dos Palmares! Viva o ubuntu!

Compartilhe:

Ao escrever sobre o Dia 20 de Novembro tenho procurado salientar a importância de Zumbi dos Palmares para todos aqueles que foram seus contemporâneos, especialmente as vítimas do sistema escravocrata e todos aqueles que sofreram as consequências de um sistema, uma sociedade segregacionista.
A preocupação de Zumbi, em incluir todas as pessoas que estavam sofrendo naquele momento histórico, foi a preocupação de alguém que viveu o tempo todo pensando e agindo a partir dos critérios da inclusão. Sim, a inclusão, a felicidade, o bem estar, o salvaguardar a identidade de todos aqueles que estavam de algum modo sofrendo.
O seu modo de agir remete-nos ao modo de agir de alguns povos da República da África do Sul. Eles vivem a vida, olham para o seu semelhante com uma preocupação: a preocupação em viver o “ubuntu”. E, como traduzir esse verbete para a nossa língua? Ubuntu é a preocupação de alguém que é capaz de compreender que a lesão a um indivíduo pode prejudicar todos.
Zumbi foi marcado pela capacidade de perceber que o Quilombo dos Palmares era um espaço apenas para os negros (as) que não se adequaram ao sistema escravocrata e tiveram a possibilidade de viver, conviver no Quilombo bem como um lugar onde todas as pessoas que buscavam um modo de vida alternativo foram literalmente acolhidas.
A preocupação e a luta de Zumbi dos Palmares continuam para nós hoje, algo muito pertinente e real. Percebemos, de um certo tempo para cá, que inúmeros são os organismos que vão surgindo no nosso cotidiano para salvaguardar o direito de todos os grupos sociais, minorias, pessoas vulneráveis: delegacias especializadas, abertura no código de direito etc. Tudo isso não só para aplicar as penalidades da lei aos eventuais agressores, infratores mas para, de algum modo, lembrar-nos da importância de uma vida em sociedade onde todos sejam respeitados – independentemente de qualquer coisa.
Ao celebrar o 20 de Novembro lembremos também de todas as pessoas que deram a sua vida por causa da sua preocupação, da sua militância para que tantos irmãos e irmãs tivessem os seus direitos respeitados – foram muitas, foram tantas: irmãos e irmãs que tombaram na luta por um mundo marcado pelo ubuntu.
E que a leitura desse texto possa levar-nos a um debate sadio sobre a nossa atuação dentro do tecido social. Deixamos duas perguntas para um possível debate, conversa:
1.Você sente que no Brasil existe o ubuntu?
2.O que fazer para incorporarmos o ubuntu na nossa prática, no nosso cotidiano?

Pelo exercício do ubuntu!
Na luta por uma sociedade fraterna!

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com