AGORA E NA HORA DE NOSSA MORTE!

Compartilhe:

As palavras que formam o título deste artigo são tiradas da oração da Ave Maria. Tais palavras nos levam a pensar sobre o significado da vida e da morte e a meditar sobre o seu sentido numa existência que se configura num tempo e num espaço bem preciso e definido, embora não totalmente controlado por nós.

A esse respeito, muitas são as abordagens, sentimentos, idéias e convicções.

A cultura budista, da Ásia, compreende a vida dentro de quatro etapas: nascimento, ancianidade, enfermidade e morte.  Em cada uma delas, o sofrimento está presente, como inevitável destino humano que implora salvação.

Não precisamos considerar a morte como algo terrível. Desde que Jesus ressuscitou, a morte foi desdramatizada e se transformou em ante-sala da vida.

São João Paulo II, em seus escritos afirmava: “Basta olhar a variação da paisagem no decorrer do ano, nas montanhas, nas planícies… Há uma íntima semelhança entre o biorritmo do homem e os ciclos da natureza da qual ele faz parte. É verdade, pois a vida que nasce, a vida que cresce e a vida que chega ao seu ocaso constituem três momentos do mistério da existência, da vida humana que provém de Deus; é um dom, sua imagem, sua marca, participação do seu sopro vital”.

A vida é o bem supremo, dado a nós por Deus. Nesse sentido, cada instante vivido, deveria ser vivido nele, com ele e, por ele.

O Nascimento é sempre irrupção da vida; é o princípio de qualquer existência; é o auge de uma gestação; é o diálogo primordial entre o espaço e o tempo; é a síntese entre o começo e o fim é o tudo da vida. Sem nascimento não há existência!

A experiência humana mostra que o nascimento é algo muito forte. Em nossa cultura, cultivamos e cultuamos, através de diversos símbolos (cantigas, bolos, presentes…), a renovação da vida; re-nascimento ritualizado no aniversário. Para além da gênese de algo ou de alguém, buscamos um significado que lhe ultrapassa.

A Ancianidade é contingência humana. Na Sagrada Escritura, a longevidade (ancianidade ou envelhecimento) é sinal da benevolência de Deus (cf. Gn 11,10-32). De um modo geral, o idoso é sempre representação da sabedoria e da experiência. Embora, nem sempre, isso corresponda ao respeito, ao valor e aos direitos que lhes são devidos. Porque, em muitas sociedades e culturas, idade avançada é problema. É só conferir o lugar dos idosos nos planos de saúde, na previdência…

A Enfermidade e as doenças, na vida humana, mais do que defeito, indicam nossa finitude. Podem acometer pessoas de todas as idades, classes, línguas e nações. Enfermidades e doenças devem ser pensadas para além do circunstancial, do fato em si.

Na fé, para compreendermos o lugar das doenças precisamos focalizar o valor do corpo humano. “O corpo humano é sagrado; o divino habita nele” diz Paulo VI.. “É. portanto, o amor cristão que dá valor e sentido à nossa existência, mesmo quando a enfermidade e a doença comprometem a integridade do nosso corpo porque, há em nós uma dimensão da vida que não é condicionada pelo estado de nosso físico, mas pelo amor que sabemos dar”, afirma o bispo vietnamita, Van Thuan, em seu livro, Testemunhas da Esperança.

A Morte é a coisa mais séria da vida, a maior dentre todas as provações; é o auge de nossa vida; é a última oferta que podemos fazer a Deus, aqui na terra. Mas, por estar sempre acompanhada por uma forte carga de sentimentos, a morte é, geralmente, rejeitada como parte (natural) integrante da vida.

Na cultura vietnamita há um provérbio que diz: “A vida é uma peregrinação; a morte, um retorno para a casa”.

Na concepção cristã, a morte não é o fim, mas o (re)começo porque, na morte, a vida não é tirada, mas transformada. E, se por um lado é desfeita a morada deste exílio terreno, por outro lado é-nos preparada uma habitação eterna no céu (cf. 2Cor 5,1-10).

Nossa vida tem futuro e, não há morte que nos segure!

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

A AMIZADE DE DEUS

  Nosso Senhor, o Verbo de Deus, que primeiro atraiu os homens para serem servos de Deus, libertou em seguida os que lhe estavam submissos,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts