A RENOVAÇÃO DA PARÓQUIA

Compartilhe:

Dom-Juarez-300x225Será que a paróquia não é uma estrutura ultrapassada? É a pergunta que muitos se fazem. Certamente, a paróquia não é uma estrutura ultrapassada. Ela continua sendo a referência para os batizados. Historicamente, a paróquia tem sido a presença pública da igreja nos diferentes lugares, tendo passado por diversos momentos de renovação, como necessidade vital para a sua existência até nossos dias.

O Papa Francisco diz que a Paróquia “não é uma estrutura caduca, precisamente porque possui uma grande plasticidade, pode assumir formas muito diferentes que requerem a docilidade e a criatividade missionária do pastor e da comunidade.” (EG,  28). Esta palavra do Santo Padre deu respaldo à 52ª Assembleia Geral da CNBB, em maio deste ano, quando nós bispos debruçamo-nos sobre o tema da renovação da paróquia e lançamos o documento de número 100, intitulado “Comunidade de Comunidades, uma nova paróquia”. O documento convoca toda a Igreja para a conversão pastoral da paróquia.

Os novos contextos dos tempos atuais, como o progresso científico, a emergência da subjetividade, as novas tecnologias, o avanço dos meios de comunicação; e os novos cenários da fé e da religião, como o pluralismo religioso, a religiosidade subjetivista e experimentada por vias midiáticas proporcionam comodidade e bem estar, mas criam dificuldades para a vivência da fé cristã. Por exemplo, o acesso à comunicação enfraquece os vínculos comunitários e as relações pessoais. Diz-se que as redes sociais “aproximam os que estão longe e distanciam os que estão perto.” Esta situação anuncia que é urgente e crescente o desafio de a paróquia se renovar em vista de sua missão, e para que ela seja espaço de acolhida e de encontro com Deus e com os irmãos(as).

A conversão pastoral da paróquia é uma conversão para a missão, que supõe passar de uma pastoral ocupada apenas com as  atividades internas  da  Igreja,  para  uma  pastoral  que  dialogue  com  o  mundo.  A  paróquia missionária há de ocupar-se  menos  com  detalhes  secundários  da  vida  paroquial  e focar-se mais no que realmente propõe o Evangelho, buscando maior  fidelidade  ao  que  Jesus  quer  da  sua  comunidade.  É  exigência  da  missão  a renovação dos  costumes, estilos,  horários e  linguagem. Só assim toda a estrutura eclesial favorecerá mais à evangelização do que à autopreservação da paróquia. (CNBB, doc. 100, n. 59)

Enquanto  a  comunidade  paroquial  for  autorreferencial,  ocupando-se  apenas  de  suas questões internas, tende a atrair  cada vez menos  pessoas, pois “o discípulo de Cristo não  é  uma  pessoa  isolada  em  uma  espiritualidade  intimista,  mas  uma  pessoa  em comunidade para se dar aos outros.” (Papa Francisco, Mensagens e homilias, JMJ Rio, p. 90)

A paróquia atual está desafiada a se renovar. Isso implica ter coragem de enxergar os limites das práticas atuais em vista de uma ousadia missionária capaz de atender aos novos contextos que desafiam a evangelização. O encontro com Cristo é a fonte perene da renovação da paróquia.

Dom Juarez Sousa da Silva – Bispo da Diocese de Oeiras

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com

“PAU PRA TODA OBRA”

  Algumas pessoas, como diz o ditado, são “pau pra toda obra”: são arrojadas, têm iniciativas, colaboram, são prestativas, têm disposição, são dinâmicas, têm coragem,