13 DE MAIO: LIBERDADE SEM DIREITOS*

Compartilhe:

Hoje o calendário traz esta data: 13 de maio. Uma data que seria como que um marco, “divisor de águas” na história do Brasil. Data na qual foi assinada a Lei Áurea.

Talvez aqui uma primeira reflexão para esta data: A Lei foi assinada. E onde foi parar a liberdade, com os devidos direitos, dos escravos? Onde se encontraram, um dia depois, aqueles que até então trabalharam por anos a fio num regime de escravidão, tratados tantas vezes, literalmente falando, como animais?

Os anos passam e hoje, fazendo as contas, lançando um olhar sobre o passado, sobre a história, contabilizamos 129 anos decorridos, desde a assinatura da Lei Áurea.

A lei foi assinada, mas os direitos não vieram. Os direitos foram negados: Direito à escola, moradia, trabalho, o direito de ir e vir sem ter que passar o vexame de ser aqueles que levantam suspeitas, tantas vezes, inúmeras vezes, diante das autoridades policiais nas blitzes, nas abordagens realizadas, o direito a ter direito.

Não por acaso, não sem razão, o estado, mais do que numa atitude de compaixão e diante a luta encampada pela comunidade dos afrodescendentes e das chamadas “minorias sociais”, dos excluídos, tem reagido, conferindo o direito que foi historicamente e sistematicamente negado, quando institui a lei do crime de racismo, cria as Cotas Raciais.

Afinal de contas, liberdade sem direitos é algo que não existe. Liberdade sem direitos é continuar sem a liberdade, seria continuar na escravidão.

A pauta da ordem do dia, presente na “agenda” dos afrodescendentes e de todas as minorias sociais é esta: O exercício da liberdade com os mesmos direitos, o exercício da liberdade com as mesmas possibilidades para todos – sem racismo, sem todas as patologias que ainda hoje estão presentes na nossa sociedade, no nosso cotidiano.

Depois da leitura deste texto, vamos refletir?

  1. Você concorda com o autor, em que pontos?
  2. O que pode ser feito ou continuar a ser feito por cada um de nós para mudarmos esta realidade?

 

 

Pelo fim do preconceito!

Pelo exercício da liberdade com direitos!

 

*Pe. Francisco Barbosa, Presbítero da Diocese de Oeiras, Administrador da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Socorro do Piauí-PI, Militante do Movimento Negro, Maio/2017, e-mail: [email protected], whatsapp: 089-99413-1800.

 

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts