SEJAM MISERICORDIOSOS!

Compartilhe:

 

O título deste artigo é, na verdade, uma exortação de Jesus, tirada do Evangelho de Lucas: “Sejam misericordiosos porque também é misericordioso o Pai de vocês que está no céu” (Lc 6,36). Esta exortação de Jesus traduz o conteúdo de toda a sua pregação e missão: “Aprendam, pois, o que significa: ‘Eu quero a misericórdia e não o sacrifício’. Porque eu não vim para chamar justos, e sim pecadores” (Mt 9,13).

 

Na Bíblia (edição pastoral), a palavra misericórdia aparece 114 vezes.

Misericórdia é a condição de fé e, esta, exige vida interior.

Não se admite um cristão que não passe pela escola da misericórdia. A questão é que nada acontece na fé, senão pela misericórdia. Portanto, sem aprender a misericórdia, não se crê de verdade.

Pode nos ajudar a entender a misericórdia, alguns elementos bíblicos como os relacionados abaixo:

Experimentar a profundidade do amor (1Jo 4,7-21). O Amor é o princípio da misericórdia. Nele todas as coisas se realizam. É o amor que dá forma à vida religiosa e às relações interpessoais. O Amor é a identidade Cristã. “Amados, amemo-nos uns aos outros, pois o amor vem de Deus. E todo aquele que ama, nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.”

Não fazer justiça com as próprias mãos (Rm 12,9-21). A justiça é um requisito do amor. Onde falta justiça o amor não nasce, não cresce e não frutifica. Todas as ações humanas serão expressão de verdadeiro amor se e somente se estiverem revestidas de justiça. “Não paguem a ninguém o mal com o mal; a preocupação de vocês seja fazer o bem a todos os homens. Amados, não façam justiça por própria conta, mas deixem a ira de Deus agir, pois o Senhor diz na Escritura: ‘A mim pertence a vingança; eu mesmo vou retribuir’.”

Nova prática do Jejum, da oração e da caridade (Mt 6,1-6.16-18). Jejum, oração e caridade são práticas de piedade cristãs. Tais práticas de piedade não são para fomentar as aparências nem para justificar uma vida de superficialidade. As práticas de piedade são para devolver à cada um o ideal-dever de conversão. “Prestem atenção! Não pratiquem a justiça de vocês diante dos homens, só para serem elogiados por eles. Fazendo assim, vocês não terão a recompensa do Pai de vocês que está no céu.”

Não julgar! Antes, é necessária a Correção Fraterna (Mt 18,15-20). O julgamento só cabe a Deus e não pode ser arbitrado por ninguém. Porque, todos nós somos, sem distinção, somos culpáveis de pecado. O que nos é dado fazer é viver na continua busca de auto-correção, como sinal para a correção fraterna. “Se o seu irmão pecar, vá e mostre o erro dele, mas em particular, só entre vocês dois. Se ele der ouvidos, você terá ganho o seu irmão. Se ele não lhe der ouvidos, tome com você mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. Caso ele não dê ouvidos, comunique à Igreja. Se nem mesmo à Igreja ele der ouvidos, seja tratado como se fosse um pagão ou um cobrador de impostos.”

Perdoar sempre, sem impor limites (Mt 18,21-35). O perdão não é uma simples concessão, mas um direito-dever. Porque, Jesus Cristo, quando ainda éramos pecadores nos escolheu e se entregou por nós: o justo pelos injustos. Por isso, mesmo sem nenhum mérito o Senhor nos perdoou, devemos nos perdoar uns aos outros, sempre. “Pedro aproximou-se de Jesus, e perguntou: ‘Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?’ Jesus respondeu: ‘Não lhe digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete’.”

Vale a pena pensar nessas coisas, como auxílio à fé e à conversão pessoal!

 

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

FELIZ NATAL PARA O ANO NOVO!

Os meios de comunicação sempre prestam um importante serviço, enquanto mantêm as pessoas informadas. São milhares de informações presentes nas numerosas notícias.  Na medida em

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts