Padroeiro

Nossa Senhora da Vitória, Padroeira de Oeiras e do Piauí

A invocação a Nossa Senhora da Vitória já existia em Portugal desde o tempo de Dom João I, quando este rei, grato à Virgem Maria pela vitória alcançada em Aljubarrota contra os castelhanos, mandara construir um Mosteiro e um Santuário que recebeu o nome de Santa Maria da Vitória. Em 1571, a esquadra cristã conseguiu o triunfo contra
os turcos na batalha naval de Lepanto, afastando definitivamente do continente europeu o perigo muçulmano. O Papa Pio V, em sinal de gratidão, deu à Virgem Maria o título de Nossa Senhora da Vitória.

Os portugueses, através dos padres jesuítas, nos legaram a devoção à Nossa Senhora da Vitória, invocada efusivamente em várias regiões no Brasil, em especial nos “Sertões de Dentro”. Na cidade de Oeiras, nordeste do Brasil, centro sul do Piauí, o culto à Virgem da Vitória tem início com a ereção da Freguesia em fins do século XVII.

A imagem primitiva da Virgem chegou a Oeiras pelas mãos dos padres Thomé de Carvalho da Silva e Miguel de Carvalho, vindos de Olinda no Pernambuco. “A imagem é setecentista e representava a vitória do bispo de Olinda Dom Frei Francisco de Lima, do Padre Miguel e a vitória de todos aqueles crentes brejeiros, somada à alusão das vitórias portuguesas de Lepanto e Aljubarrota” (CARVALHO JR, 1992, p. 153).

No dia 02 de março de 1697 sagrou-se o templo em honra à Senhora da Vitória, uma simples capela rústica, onde foi entronizada a imagem para o culto da povoação Mocha. Em 1733 foi edificada a catedral, no mesmo local da capela de taipa e pindoba. “E ao redor de seu vulto a cidade surgiu e cresceu”. Mais tarde no século XIX a imagem
primitiva foi substituída por outra nova imagem desta mesma devoção. As imagens de Nossa Senhora da Vitória, tanto a primitiva quanto a atual têm funções distintas. A primitiva encontra-se no Museu de Arte Sacra, como relíquia de uma época, e a atual exposta no retábulo principal do altar-mor da velha matriz, para devoção dos fiéis.

Nossa Senhora da Vitória foi proclamada padroeira do Piauí em Breve Apostólico do Papa João Paulo II, em 16 de julho de 1997, momento em que se comemorava o tricentenário da criação da Freguesia do Brejo da Mocha.

Antigamente, desde o vicariato de Thomé de Carvalho, nosso primeiro vigário, a festividade em honra a padroeira de Oeiras e do Piauí era realizada na ocasião da Solenidade da Santíssima Trindade, celebrada sempre no primeiro domingo depois de Pentecostes. No entanto, desde a década de 50 do século XX, a festividade passou a ocorrer no dia 15 de agosto, dia da Solenidade da Assunção de Maria ao céu.

O festejo de nossa excelsa padroeira acontece de 05 a 15 de agosto, com novenas- missas, quermesse e uma grande procissão que sai da Catedral, no dia dedicado a ela, em direção ao Morro do Leme onde está a imagem da Virgem da Vitória. A imagem tem 15m e foi erguida no alto do morro entre 1983 e 1985, nas comemorações dos 250
anos da Igreja Catedral.

Fonte:
CARVALHO JR., Dagoberto Ferreira de. Passeio a Oeiras. 4ª ed. Recife. Gráfica
Editora Apipucos S. A., 1992.

REIS, Clésia Martins Oliveira Moura. A Arte Sacra na Catedral de Oeiras: uma
análise das imagens de Nossa Senhora da Vitória. Teresina. Gráfica do Povo, 2008.