Liturgia Dominical:”Pedi, pois, ao Senhor da colheita que envie operários”

Compartilhe:

XI DOMINGO DO TEMPO COMUM
“Pedi, pois, ao Senhor da colheita que envie operários…”
O Evangelho nos apresenta Jesus que ver diante de si gente cansada e abatida. Esta gente é a humanidade do seu tempo, mas é também a humanidade de todos os tempos. Quanto cansaço difuso, quanta crise existencial, quantas feridas no corpo de da alma de tantos irmãos e irmãs nossos nos dias de hoje.
Como reage Jesus diante desta realidade? Diz o Evangelho: “Jesus teve compaixão”. Deus se comove. É bela, é comovente esta notícia. O coração de Deus é compadecente.
Prestemos bem atenção! Foi exatamente neste momento de profunda compaixão que Jesus chamou os Apóstolos: o sacerdócio, então nasceu como fruto e consequência do amor apaixondado de Deus pela humanidade sofrida.
Diz o Evangelho: “Eram como ovelhas sem pastores”. No entanto, pastores existiam; haviam os sacerdotes do templo; havia os mestres da lei. Por que, então, o Evangelho diz que eram como “ovelhas sem pastores”? A resposta se encontra lendo atentamente todo o Evangelho. Esse narra o choque existente entre Jesus e os pastores de Israel que tinham tornado-se cuidadores severos, esquecendo o coração da lei que é a misericórdia.
Jesus havia dito: “Aprendeis o que significa: Quero misericórdia e não sacrifício”. De fato não vim chamar os justos, mas os pecadores” (Mt 9,13). E ainda: “Vós transgredistes as prescrições mais graves da lei: a justiça, a misericórdia, a fidelidade” (Mt 23,13). Ele veio para dar-nos o dom de novos pastores: pastores ao serviço da misericórdia de Deus.
“Os operários são poucos. Rezai portanto…” (Mt 9,37). Os novos pastores nascem da compaixão de Deus e da oração do seu povo. O oração, de fato, é indispensável para criar as condições da escuta ao chamado; e é indispensável, porque somente uma comunidade que reza pode tornar-se voz de Deus.
Madre Teresa de Calcutá amava repetir: “Recordais que a vossa vida fala muito mais forte que as vossas palavras. Se a vossa vida desmentir as palavras, as palavras não chegarão ao coração de ninguém”.
Voltemos ao Evangelho. Claramente o Evangelho nos diz que foi Jesus quem chamou os Doze: estes constituem, por vontade de Jesus, um grupo de homens-guias, em torno aos quais se reúne o rebanho do Senhor.
Não é possível, portanto, desconsiderar a importância dos Apóstolos e dos seus sucessores. Estaríamos andando contra uma precisa vontade de Deus. Uma Igreja sem os Apóstolos não seria mais a Igreja de Jesus.
Alguém, porém, poderá dizer: “Mas entre os Apóstolos tem Judas!”. Certamente. Ele nos recorda que cada um de nós pode tornar-se “Judas”. Jesus sabia que corria este risco. Sabia que a traição é um preço que também Deus paga quando escolhe os homens como seus colaboradores. Por isso a Igreja será sempre maravilhosamente mãe de tantos santos por graça de Deus, e ao mesmo tempo, sofrerá o escândalo por causa de muitos filhos seus que caem no pecado.

Dom Edilson Soares Nobre

Bispo Diocesano de Oeiras

Posts Relacionados

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

APRESENTADOS POR DEUS A NÓS MESMOS!

  Quem sou eu? Com esta pergunta básica-fundamental nos colocamos diante da existência, como seres únicos e irrepetíveis; nos afirmamos, como pessoa, diante de uma