Liturgia Dominical: “Uma oração para se viver”

Compartilhe:

  • Décimo Sétimo Domingo do Tempo Comum

Uma oração para se viver

A primeira leitura de hoje faz referência ao célebre episódio de Sodoma e de Gomorra: duas cidades que se tornaram símbolos do vazio, da perversidade, da imoralidade. Na verdade Sodoma e Gomorra são um retrato do contexto atual no qual estamos inseridos hoje. O que diz a Bíblia através do diálogo-oração de Abraão? Antes de tudo, a condenação ao pecado é claríssima. Condena o pecado não porque tenha medo do prazer ou da alegria. A Bíblia condena o pecado em nome de uma precisa interpretação da vida do homem. O homem foi criado para aprender a amar Deus e o próximo, mas o amor é dom de si, portanto o amor é também sacrifício, o amor é liberdade conquistada, o amor é presença de Deus, pois cada amor verdadeiro torna-se semelhante a Deus que é amor. Mas hoje o homem tornou-se uma opção contrária: hoje o amor tornou-se instinto, libertinagem, narcisismo, sensações sem referência à profundidade interior do homem. A Bíblia condena estes desvios e os chama “pecado”. Mas, então existe esperança? A Bíblia tenazmente defende e propõe a esperança. Abrão surge como um sinal de esperança para reconstruir na vida daquele povo os conceitos que lhes restituam a dignidade de povo de Deus.

O Evangelho nos apresenta Cristo ensinando-nos a construir uma história nova. Um novo modo de sentir, um novo modo de falar, um novo modo de avaliar, um novo modo de viver.

“Pai”! Com esta expressão Jesus nos convida a abandonarmos as visões infantis de Deus: Deus-severo, Deus-vingativo, Deus-distante, Deus-opressor, são todas leituras erradas da divindade. O seu verdadeiro nome é “Pai”. É um nome que evoca confiança, abandono, segurança, otimismo. Eu posso dizer: Deus, tu és meu Pai! Assim, todo o empenho da vida está em usar a liberdade para viver verdadeiramente como filho.

“Santificado seja o teu nome, venha o teu Reino, seja feita a tua vontade”. A verdadeira oração, a mais alta oração não pede a Deus para escutar o homem, mas pede ao homem a graça de escutar Deus. Naquela oração Jesus nos ensinou a dizer: “Pai, que tu sejas entendido! Pai, que os homens não te impeçam de dar a alegria, de dar a vida! Pai, que ninguém impeça o teu amor e o mundo caminhe na direção da salvação!”.

A segunda parte da oração nos faz voltar o olhar para as necessidades do homem. “Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos”. Bem sabemos que a vida é uma viagem, uma peregrinação e, portanto, não precisamos acumular tanto. Basta que tenhamos o necessário para vivermos dignamente como filhos de Deus. “Perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores”. Também o perdão é o pão quotidiano. O homem é fraco e, portanto é sempre carente do perdão. Deus sabe. Porém Jesus nos recorda que a medida do perdão Deus a coloca em nossas mãos: “Perdoa como nós perdoamos”.

Dom Edilson Soares Nobre

Bispo Diocesano de Oeiras

 

 

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts