Liturgia Dominical: “Me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres”

Compartilhe:

Terceiro Domingo do Tempo Comum
Me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres
Lucas inicia o seu Evangelho com uma dedicação: “Escrevo a ti, Teófilo” (Lc 1,3). O que significa? Não obstante sendo o Evangelho dirigido a todos, esta dedicação indica atenção especial à singular pessoa. Ou seja, é dedicado a cada um individualmente. Não podemos nos perder na massa. A vida é vivida em primeira pessoa. Mas Lucas acrescenta: “Desse modo poderás verificar a solidez dos ensinamentos que recebeste” (Lc 1,4).
Eis um raio de luz sobre o significado da religião cristã. Ela não é feita de comoventes lendas ou de fábulas edificantes. A religião cristã nasceu de uma pessoa concreta: uma pessoa que nasceu veramente em Belém, caminhou pelas estradas, operou milagres, pronunciou palavras nunca ditas antes, sofreu uma injusta e absurda condenação e depois improvisamente retornou ao centro da vida de um pequeno grupo de pessoas. Os apóstolos quando falavam tentavam esclarecer este aspecto da fé. Lembramos aqui a primeira carta de São João: “O que ouvimos e o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que nossas mãos apalparam…Isso que vimos e ouvimos, nós agora o anunciamos a vocês” (I Jo 1, 1-3).
O nascimento do cristianismo é um enigma histórico que se explica somente exclamando com o centurião aos pés da cruz: “Verdadeiramente este é o Filho de Deus!” (Mc 15,39).
Mas aqui aflora um problema sutil: Hoje, onde podemos encontrar Cristo? Onde é hoje a estrada de Damasco, que possibilitou o encontro de Saulo com Jesus e conseqüentemente a sua conversão? Onde está a margem do lago da Galileia, na qual Pedro e André encontram Cristo? No Evangelho encontramos a resposta. Um dia – narra Lucas – Jesus se encontrava em Nazaré. Ele queria participar da reunião do sábado, como um bom israelita. O que acontece? Jesus é convidado a ler. Pega o livro do profeta Isaías e em alta voz proclama: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a boa nova aos pobres…” (Lc 4,18-19). Eram palavras conhecidas, mas eis a novidade. Enrolando o livro Jesus diz: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir” (Lc 4,21). Inicia assim o cristianismo! Uma grande novidade estava entrando no mundo. Quem acreditou nas palavras de Jesus? Os pobres de espírito e os puros de coração reconheceram a Sua presença.
Talvez aqui encontremos a resposta à indagação feita anteriormente. Onde é a estrada de Damasco? É a Igreja. A Igreja é o hoje de Cristo. A Igreja é o caminho que Cristo depositou neste mundo, cheio de contradições e de maldade. São suas estas palavras: “Como o Pai me enviou, também eu vos envio” (Jo 20,21). “Não vos deixarei órfãos, retornarei a vós” (Jô 14,18). “Ide pelo mundo e anunciai a Boa Nova. Eis que eu estarei convosco todos os dias até o fim do mundo” (Mt 28,19-20).

Dom Edilson Soares Nobre
Bispo Diocesano de Oeiras

Posts Relacionados

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

QUEM SE CALA…

Todos nós temos responsabilidade no bem ou no mal do mundo.  Ninguém pode se considerar isento desta responsabilidade ou inocente em todas as situações. Com