BEIJO DE JUDAS

Compartilhe:

 

Encontramos na Bíblia uma das páginas mais duras da experiência humana: o beijo, uma das mais genuínas expressões de amor, convertido em estratagema de traição, onde uma das motivações era o “metal vil”.

Judas, amigo de mesa e apóstolo de Jesus o entrega aos romanos com um beijo.

Vejamos o que diz o texto:

Predisposição de trair. “Judas Iscariot, um dos Doze, foi aos chefes dos sacerdotes para entregá-Lo a eles. Ao ouví-lo, alegraram-se e prometeram dar-lhe dinheiro. E ele procurava uma oportunidade para entregá-lo” (Mc 14,10-11).

O “cheiro” da traição. “Ao cair da tarde, Ele foi para lá com os Doze.  E quando estavam à mesa, comendo, Jesus disse: ‘Em verdade vos digo: um de vós que come comigo há de me entregar’.  Começaram a ficar tristes e dizer-lhe, um após outro: ‘acaso sou eu?’  Ele, porérm, disse-lhes: ‘um dos Doze, que coloca a mão no mesmo prato comigo’” (Mc 14,17-20).

O beijo como senha. “E, imediatamente, enquanto ainda falava, chegou Judas, um dos Doze, com uma multidão trazendo espadas e paus, da parte dos chefes, dos sacerdotes, escribas e anciãos.  O seu traidor dera-lhes uma senha dizendo: ‘É aquele que eu beijar.  Prendei-o e levai-o bem guardado’.  Tão logo chegou, aproximando-se dele disse: ‘Rabi!’  E o beijou.  Eles lançaram a mão sobre ele e o prenderam” (Mc 14,43-46).

O remorso. “Então, Judas, que o entregara, vendo que Jesus fora condenado, sentiu remorsos e veio devolver aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos as trinta moedas de prata dizendo: ‘Pequei, entregando um sangue inocente’.  Mas estes responderam: ‘Que temos nós com isso?  O problema é teu!’  Ele, atirando as moedas no Templo, retirou-se e foi enforcar-se” (Mt 27,3-5).

E agora é conosco! O que estas palavras tem a ver conosco?  De que modo nos atinge, ensina e corrige?  Que problemática concreta ela encerra?

Rastro destruidor. Sabemos que a problemática da traição não se circunscreve, simplesmente, em torno a dramas de ordem sexual.  E, mesmo sendo esta uma das que mais afeta vidas, pessoas, e famílias, vai além disso.

Sendo assim, não precisamos recorrer às abstrações e/ou aos eufemismos para dizer que a traição já atingiu a vida de muitas pessoas e deixou o seu rastro destruidor.

“Mediações da traição”. Toda traição tem em comum a utilização de elementos (ou mediações) que são fatores de convivência e do mais genuíno relacionamento humano.  No caso de Judas, o beijo e, de “outros” Judas, a casa, a cama, o trabalho, a fé, a amizade, um algo partilhado.  Isso, certamente é o que mais influencia no estado da pessoa que é “vítima”.

O problema  não é tanto o ato em si, mas as “mediações” que, antes favoreciam o inter-relacionamento saudável e que, de uma hora para outra se transformou em “plataforma” do desespero.  E, agora?

Reações imediatas. São diversas as reações de quem foi traído: a desconfiança de tudo e de todo, sentimento de ter sido usado, enojamento da pessoa em questão, distanciamento, agressividade, apassivamento, cumplicidade, depreciação de si mesmo, fuga, sentimentos de auto destruição, humilhação, medo, insegurança… e a rejeição tácita a “freqüentar” a  “mediação” que favoreceu a traição.

A experiência concreta demonstra que o cenário da traição escapa da minúscula dimensão de acontecimento e lança raízes na dimensão existencial.  Quer dizer, prejudica profundamente a vida de uma pessoa.  Sendo assim, se suporta até a morte, mas ninguém admite o “beijo” de Judas, o beijo de traição!

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

ORAÇÕES DESCONCERTANTES

 Saber orar é a maior de todas as conquistas da fé porque, ao mesmo tempo que indica maturidade espiritual, revela o nível de conversão, obediência,