A VIDA EM SUBIDA!

Compartilhe:

É notório que, em vários sentidos a vida humana está em declínio; em risco permanente de abismo. E não é porque o ser humano é decadência. Não! O Ser humano não é decadência. Por vocação o ser humano é projeção, é avanço, é subida. Aliás, quando olhamos para o rol de conquistas do gênio humano, nos vários setores do conhecimento: indústria, serviço e tecnologia, ficamos boquiabertos com a magnanimidade da pessoa humana e com sua capacidade produtiva, laboral e inventiva.

O ser humano é incrível! Mas, ao mesmo tempo que olhamos estupefatos para um ser humano tão promissor e fazedor do crescimento e do desenvolvimento (principalmente econômico), ficamos estarrecidos e perplexos com a desaceleração nas conquistas em termos de auto aceitação, de relacionamento interpessoal, de atenção aos sentimentos, de maturidade afetiva, de equilíbrio emocional, de ajuste sexual, de segurança familiar, de tolerância religiosa, de respeito ao diferente, de convivência pacífica, de justiça social…

Naquilo que mais é necessitado, o ser humano está em declínio, não consegue subir. Mesmo conquistando o mundo, desenvolvendo a ciência, controlando o céu e a terra… o ser humano está sem auto controle, enfraquecido, diminuído e pobre. Que o diga a disseminação da violência, o abuso de poder, a corrupção política, a má distribuição das rendas, as injustiças sociais, os disparates culturais, as inversões de valor…

No ritmo em que estamos vivendo, não demorará muito e, todo o crescimento… e todo o desenvolvimento… e toda a conquista do gênio humano, será apenas o túmulo do ser humano; contraditoriamente, gigante no ter e anão no ser.

O crescimento material não significa um mal. Pelo contrário, é força deduzida da capacidade humana de subida. O mal é que o desenvolvimento do ser não acompanha o do ser.

Diz o Senhor Jesus: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e me siga. Pois, quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas, quem perde a sua vida por causa de mim, esse a salvará. De fato, que adianta um homem ganhar o mundo inteiro, se perde e destrói a si mesmo?” (Lucas 9,23-25). Enfatizando, Jesus assevera: “Lembrem-se da mulher de Ló. Quem procura ganhar a sua vida, vai perdê-la; e quem a perde, vai conservá-la” (Lucas 17,32-33). E, chamando ao novo da vida com sentido, Jesus conclui: “Vocês serão odiados por todos, por causa do meu nome. Mas não perderão um só fio de cabelo. É permanecendo firmes que vocês irão ganhar a vida!” (Lucas 21,18-19)

Paulo, ensinando o que aprendeu do seguimento de Cristo, ensina ao Romanos: “Não se amoldem às estruturas deste mundo, mas transformem-se pela renovação da mente, a fim de distinguir qual é a vontade de Deus: o que é bom, o que é agradável a ele, o que é perfeito” (Rm 12,2).

O tempo de agora nos chama à verdadeira inventividade criativa: crescer para o alto, crescer em humanidade, manter a vida em subida. Eis o desafio que envolve todo o nosso ser, sonho e esperança!

Como não fomos feitos para o abismo, Jesus deixou aberto o caminho do céu e preparou, para nós, um lugar: “Não fique perturbado o coração de vocês. Acreditem em Deus e acreditem também em mim. Existem muitas moradas na casa de meu Pai. Se não fosse assim, eu lhes teria dito, porque vou preparar um lugar para vocês. E quando eu for e lhes tiver preparado um lugar, voltarei e levarei vocês comigo, para que onde eu estiver, estejam vocês também” (João 14,1-3).

Ainda é tempo de mudarmos o roteiro de nossa vida, olhando para o Cristo que sobe. Ainda há tempo.

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

PALAVRA TEM PODER!

  Nossas relações interpessoais são formadas e estabelecidas por muitas e fortes mediações. Uma dessas mediações é a Palavra. Sem a palavra a vida seria

LEIA MAIS

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts

APRESENTADOS POR DEUS A NÓS MESMOS!

  Quem sou eu? Com esta pergunta básica-fundamental nos colocamos diante da existência, como seres únicos e irrepetíveis; nos afirmamos, como pessoa, diante de uma