A VIDA EM CRISTO: CAMINHO DE SANTIDADE

Compartilhe:

O dia de Todos os Santos que foi dia 1º/11 e que a Igreja celebra dia 06/11 é um convite para meditarmos sobre o caminho cristão para a santidade.

“Cristão, reconhece a tua dignidade. Por participares, agora, da natureza divina, não te degeneres retornando à decadência de tua vida passada. Lembra-te da Cabeça a que pertences e do corpo de que és membro.  Lembra-te de que foste arrancado do poder das trevas e transferido para a luz e o Reino de Deus”  (São Leão Magno).

O símbolo da fé professou a grandeza dos dons de Deus na obra de sua criação e, mais ainda, pela redenção e santificação.  O que a fé confessa, os sacramentos comunicam: pelos “sacramentos que os fizeram renascer”, os cristãos se tornaram ‘filhos de Deus’ (Jo 1,12;  1Jo 3,1), “participantes da natureza divina” (2Pd 1,4).   Reconhecendo na fé sua nova dignidade, os cristãos são chamados a levar a partir de então, uma “vida digna do Evangelho de Cristo” (Fl 1,27).  Pelos sacramentos e pela oração, recebem a graça de Cristo e os dons de seu Espírito que os tornam capazes disso.

Jesus Cristo sempre fez o que era do agrado do Pai.  Sempre viveu em perfeita comunhão com ele.  Também os discípulos são convidados a viver sob o olhar do Pai “que vê o que está oculto”, para se tornarem “perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48).

Incorporados a Cristo pelo Batismo, os cristãos estão “mortos para o pecado e vivos para Deus em Cristo Jesus” (Rm 6,11), participando assim da vida do Ressuscitado. Seguindo a Cristo e em união com ele, podem “tornar-se imitadores de Deus como filhos amados e andar no amor (Ef 5,1), conformando seus pensamentos, palavras e ações aos “sentimentos de Cristo Jesus” (Fl 2,5) e seguindo seus exemplos.

O caminho de Cristo “conduz à vida”, um caminho contrário “leva à perdição” (Mt 7,13).  A parábola evangélica dos dois caminhos está sempre presente na catequese da Igreja.  Significa a importância das decisões morais para nossa salvação.  “Há dois caminhos, um da vida e outro da morte; mas entre os dois há grande diferença” (Didaché 1,1).

A formação da fé cristã, vivida como catequese permanente, deve revelar com toda clareza a alegria e as exigências do caminho de Cristo.   Neste sentido, a catequese da “vida nova” em Cristo (Rm 6,4) será:

  1. a) – Catequese do Espírito Santo, mestre interior da vida segundo Cristo, doce hóspede e amigo que inspira, conduz retifica e fortifica esta vida;
  2. b) – Catequese da Graça pois é pela graça que somos salvos, e é pela graça que nossas obras podem produzir frutos de justiça, para a vida eterna;

c)- Catequese das Bem-aventuranças, pois o caminho de Cristo se resume nas bem-aventuranças, único caminho para a felicidade eterna, à qual o coração do homem aspira;

d)- Catequese do pecado e do perdão, pois, sem reconhecer-se pecador, o homem não pode conhecer a verdade sobre si mesmo, condição do reto agir, e sem a oferta do perdão não poderia suportar essa verdade;

e)- Catequese das virtudes humanas, que faz abraçar a beleza e a atração pelas retas disposições em vista do bem;

f)- Catequese das virtudes cristãs da fé, da esperança e da caridade que se inspira com prodigalidade no exemplo dos santos;

g)- Catequese do duplo mandamento da caridade desenvolvido no Decálogo;

h)- Catequese eclesial, pois é nos múltiplos intercâmbios dos “bens espirituais” na “comunhão dos santos” que a vida cristã pode crescer, desenvolver-se e comunicar-se.

Devemos dizer como São Paulo: “Para mim viver é Cristo!”  (Fl 1,21)

 

Por: Pe. Edivaldo Pereira dos Santos

Foto: Google

Posts Relacionados

A AMIZADE DE DEUS

  Nosso Senhor, o Verbo de Deus, que primeiro atraiu os homens para serem servos de Deus, libertou em seguida os que lhe estavam submissos,

LEIA MAIS

ANO
JUBILAR

AMIGOS DO
SEMINÁRIO

ESCOLA
MISSIONÁRIA
DISCÍPULOS DE
EMAÚS - EMIDE

Facebook

Instagram

Últimos Posts