Palavra do Bispo

A boa Mãe, à casa, volta

Tomamos conhecimento da existência da imagem primitiva de Nossa Senhora da Vitória, após nossa chegada a Oeiras, assumindo o pastoreio desta porção do povo de Deus que aqui está. Pudemos já perceber o valor simbólico, histórico, cultural, afetivo e devocional que representava aquela peça, por tratar-se da Imagem Primitiva que remota os idos tempos de criação e instalação da freguesia de Nossa Senhora da Vitória no Sertão do Piauí.

Despertado o interesse pelo nobre causa constatamos que aquela que foi a imagem original de culto de veneração e de devoção do povo católico da freguesia, deu lugar a uma nova imagem. “Queremos crer que com a chegada nos anos quarenta do século XIX da nova imagem de Nossa Senhora da Vitória, a primitiva imagem tenha sido recolhida inicialmente à sacristia do velho templo” (Dagoberto Carvalho, em Revista o Instituto Histórico de Oeiras, n. 2, p 168). A partir de então a imagem teria sido usada em procissões anuais. E posteriormente, como era costume, em situações de reformas dos templos, a imagem teria ficado em casas de famílias.

Informa-nos a literatura que “a transferência para a coleção Leopoldo Portela deu-se por compra (…) fato que impediu saísse de nossas fronteiras tão importante peça, quiça a mais valiosa peça sacra de todo o Estado. (Idem, p. 169). Informação esta, constatada pela sra. Valdênia Portela, viúva do saudoso e venerável, então Mons. Leopoldo Portela que fora pároco da Frequesia de Nossa Senhora da Vitória, e que adquiriu a imagem, tendo-a custodiado zelosamente.

Em outubro de 2011 fomos informado oficialmente pelo IPHAN, quanto a permanência da imagem com a família Portela. Ao mesmo tempo fomos solicitado pelo mesmo (IPHAN), como órgão tutor do patrimônio histórico e cultural, a busca de um caminho de conciliação para o retorno da imagem à Igreja e à sociedade oeirense. Contatamos, então informalmente, com a sra. Valdênia Portela, que sinalizou estar de acordo.

Em março de 2015, tendo em vista o Jubileu de 70 anos de criação e instalação da Diocese de Oeiras, formalizamos o pedido nestes termos:

– Considerando que a imagem primitiva de Nossa Senhora da Vitória é uma peça de grande valor religioso e cultural para o povo de Deus que está em Oeiras;

– Considerando que a imagem foi adquirida, no passado pelo então pároco da paróquia de Nossa Senhora da Vitória, o saudoso e venerável Mons. Leopoldo Portela; e o zelo com que o mesmo, e posteriormente a sua família tiveram para com a  imagem, preservando-a assim de ser alvejada por outros interesses que não os de cunho religioso e cultural dado o seu elevado valor, permanecendo a mesma sob os cuidados de boas mãos, em nosso Estado;

– Considerando a celebração do Jubileu de setenta anos de criação e instalação da Diocese de Oeiras, solicitamos a doação da imagem à Paróquia de Nossa Senhora da Vitória – desta diocese, para que a mesma volte a ocupar o seu espaço no coração de seu povo e em local de distinção, no acervo patrimonial da paróquia.

A sra. Valdênia, após conversar com seus familiares, solicita, respondeu positivamente ao nosso preito. Combinamos então que, como parte alusiva ao Jubileu da diocese de Oeiras, a imagem teria o seu retorno no dia 14 de agosto de 2015, véspera da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora e festa da Padroeira, Nossa Senhora da Vitória.

Expressamos nosso sentimento de reconhecimento e gratidão à sra. Valdênia Portela, extensivos aos filhos e demais familiares, pela zelosa custódia dispensada à imagem primitiva e pela grandeza de espírito, que proporcionou o seu retorno à “Velha Matriz, Amada catedral”.

Descerraremos uma placa expressando estes nossos sentimentos, com estas palavras:

Nossa Senhora da Vitória

Imagem que presidiu – em 2 de março de 1697 –

a bênção da capela da pioneira freguesia dos

“Sertões de Dentro do Piauhy”,

sobre cujas fundações construiu-se a atual Matriz (1733),

Catedral de Oeiras.

Reconhecimento da cidade e de seu povo católico

à família do Prof. Leopoldo Portela Barbosa,

na pessoa da Sra. Valdênia Portela;

pelo resgate de tão valioso bem cultural.

Memória da Diocese de Oeiras,

sendo titular, D. Juarez Sousa da Silva

e prefeito municipal,

Dr. Lukano Sá.

14 de agosto de 2015

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.requerido

*

* *